Vanessa Carvalho/Estadão
Vanessa Carvalho/Estadão

Corinthians vai manter 'acordo de cavalheiros' com São Paulo

Presidente Gobbi não cogita pagar a multa de R$ 1 milhão para escalar Jadson no clássico

Vítor Marques, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2014 | 05h00

SÃO PAULO - O Corinthians nem sequer cogitou quebrar o "acordo de cavalheiros" firmado com o São Paulo e escalar Jadson no clássico de domingo pelo Campeonato Paulista. E não faria isto nem se fosse o jogo final. O valor da multa estipulado no contrato, de R$ 1 milhão, não é preponderante nesta decisão.

O presidente Mário Gobbi não quer quebrar um acordo feito há um mês e criar uma saia justa com o rival. Na visão dele, o Corinthians criaria uma situação desagradável e perderia credibilidade em uma negociação futura – com o próprio São Paulo ou outra equipe.

A "parceria" entre Corinthians e São Paulo vai além da simples troca de jogadores porque ambos podem lucrar com uma eventual venda de Pato nas próximas janelas de transferências ao futebol europeu.

Quando negociaram a troca de Pato por Jadson os dois clubes decidiram que nenhum atleta enfrentaria o ex-clube por um determinado período. Essa cláusula também pesou na demora em fechar a transação, sacramentada mais de uma semana depois de o vazamento do acordo, dia 5 de fevereiro.

Inicialmente o Corinthians quis que a restrição se limitasse a escalação de Alexandre Pato porque ele ainda tem contrato com o clube até o fim de 2016. Portanto, Pato está emprestado ao São Paulo por dois anos e ainda recebe R$ 400 mil por mês do antigo clube. A situação de Jadson é diferente. O meia rescindiu seu contrato com o São Paulo, que expirava no final deste ano, e assinou um novo com o Corinthians, até o fim de 2015.

Na negociação, encabeçada pelos departamentos jurídicos de cada clube e pelos presidentes Mário Gobbi e Juvenal Juvêncio, ficou decidido que Jadson não enfrenta o São Paulo neste ano – a menos que se pague a multa. Já Alexandre Pato não enfrenta o Corinthians durante todo o tempo do empréstimo, até o fim de 2015.

Como Pato não joga no Campeonato Paulista, o foco ficou em Jadson porque ele tem sido o principal jogador do time de Mano Menezes. Agora o treinador vai ter de alterar a escalação que vinha dando certo. Renato Augusto é o favorito a assumir a posição. Danilo também tem chance. No ataque, Romarinho virou dúvida porque está com um edema na coxa esquerda. Luciano será titular. E Guerrero pode aparecer no banco de reservas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.