Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Corinthians vai protestar contra arbitragem por falta em Gustagol

Após entrada do zagueiro Luizão, que recebeu cartão amarelo, atacante será reavaliado pelos médicos

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2019 | 15h03

A falta sofrida pelo atacante Gustagol no final do empate por 1 a 1 com o São Bento, em Sorocaba, neste sábado, vai motivar um protesto da diretoria do Corinthians contra a arbitragem de Luiz Flavio de Oliveira. No final da partida, quando puxava um contra-ataque, o artilheiro sofreu um carrinho do zagueiro Luizão, advertido apenas com o cartão amarelo. O clube queria cartão vermelho. 

"Vamos protestar contra a entrada do atleta do São Bento. Na minha avaliação, supostamente foi uma entrada desleal. Gustavo está lá com muita dor e talvez, na interpretação de muita gente, seria uma jogada para cartão vermelho. É um protesto, é só isso", afirmou Jorge Kalil, diretor adjunto de futebol do Corinthians.

O atacante será reavaliado pelo departamento médico para constatar a gravidade da lesão. A avaliação inicial é que o lance foi mais um susto do que algo grave. Mesmo com dores, Gustagol deixou o estádio Walter Ribeiro sem precisar do auxílio de muletas nem qualquer bandagem no local da lesão.

"É muito cedo para falar, ele vai ser avaliado, mas está tranquilo, entrou aqui (no vestiário) com astral melhor e menos dor. É claro que tem que passar por uma bateria de exames para saber o que é", disse o técnico Fabio Carille, que voltou a elogiar o autor de oito gols na temporada. "É um jogador que tem sido decisivo, que tem nos surpreendido positivamente. Eu e grande parte de pessoas do clube e da torcida não esperávamos esse rendimento dele. Está sendo muito importante", disse o treinador.

Com o empate contra o São Bento, o Corinthians subiu aos 14 pontos e segue líder do Grupo C. O time terá a semana livre para treinamentos. Domingo, o time enfrenta o Santos na Arena Corinthians, às 16h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.