Satiro Sodré/SS Press
Satiro Sodré/SS Press

Corinthians vai tentar acordo para se livrar do atacante Emerson Sheik

Clube tentará rescisão amigável com o jogador, que tem contrato por apenas mais seis meses e deve levar quase R$ 2 milhões para sair

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

18 de dezembro de 2014 | 07h00

O atacante Emerson Sheik pode nem se reapresentar ao Corinthians no dia 5 de janeiro. O clube vai se reunir com o atacante e buscar uma rescisão amigável. Com mais seis meses de contrato, ele não está nos planos dos dirigentes para 2015. O Corinthians tentará diminuir pela metade os R$ 3,6 milhões que o atacante terá para receber nestes seis meses de vínculo com o clube já que não há interesse numa renovação.

Em janeiro deste ano o clube também queria “se livrar” de Emerson, mas os valores batiam a casa dos R$ 10 milhões. A medida foi tentar empurrá-lo para o Grêmio. Os gaúchos o queriam, mas Emerson preferiu ficar, pois estava “com a comida da Cuta (sua macaca) garantida”, como ele confidenciou para pessoas próximas.

O atacante, então, aceitou ir para o Botafogo com o Corinthians garantindo o pagamento de seus salários – R$ 600 mil mensais. Jogar no Rio significaria ficar próxima dos filhos. O início foi animador de Sheik no Botafogo e os dirigentes até agradeciam o Corinthians pela negociação. Mas tudo mudou, Emerson começou a dar problemas e acabou dispensado antes do fim no Nacional.

Agora, garantindo que está aprimorando a forma física, ele promete se reapresentar e se esforçar para jogar com Tite. Mas a corrente entre os dirigentes é que esta volta não aconteça. Diretores não pensam numa renovação em junho e em caso de avanço na Libertadores, ele não poderia jogar a fase final. Assim como só atuaria nas rodadas iniciais do Brasileirão, o que não é de interesse.

“O Emerson é do Corinthians e deve se reapresentar. Mas vamos nos reunir para ver o que será melhor para o clube e para o jogador”, adianta o gerente de futebol Edu Gaspar. Tite será convencido que a volta do atacante não será vantajosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.