Corinthians vê jogo de risco no ABC

Um jogo de risco. É assim que o Corinthians considera a partida contra o São Caetano, neste sábado, às 16 horas, em São Caetano. Nem tanto pelo clima de hostilidade que pode haver entre os torceodores diante da insatisfação pela campanha no Paulista (14º lugar com 4 pontos em 5 jogos), mas sim pelo fato de o jogo ser de vida ou morte para o Corinthians."Será uma partida decisiva para nós", admitiu o técnico Wanderley Luxemburgo, que encara como um clássico do futebol paulista, em razão da ascensão do adversário, vice-campeão da Copa João Havelange. "A vitória pode melhorar um pouco nossas chances de classificação, e a derrota complica muito, mas não penso no pior."Durante a semana, Luxemburgo centralizou a preparação do time para o jogo contra o São Caetano em dois aspectos: melhorar a parte tática da equipe, e ajustar o lado psicológico dos atletas, que ficou bastante bastante abalado depois da derrota para a Matonense por 3 a 2, domingo, em Matão. Inconformados com o resultado, torcedores corintianos invadiram o campo no segundo tempo. "Agi realmente como um psicólogo, para mostrar aos jogadores que eles não podem se perturbar com esse tipo de reação da torcida. "É claro que esse tipo de comportamento de torcedores complica e assusta o time. Por isso, nós que vivemos no futebol temos de criticar tal atitude de torcedores."Luxemburgo voltou a falar da necessidade de se punir torcedores que invadem o campo para tentar agredir ou tirar satisfações com os jogadores. "Esse torcedor tem de ficar um bom tempo sem poder ir ao estádio. Só não posso generalizar e achar que toda a torcida do Corinthians tem de ser punida."O vice-presidente de Futebol do clube, Antonio Roque Citadini, garantiu que o time não vai a São Caetano com receio de sofrer novas ameaças dos torcedores. "Não reforçaremos a segurança, muito menos imaginar que possa ocorrer problemas como na partida em Matão", disse o dirigente.Mesmo desfalcado de Marcelinho, suspenso, e Paulo Nunes, machucado, o Corinthians promete um futebol ofensivo. Luxemburgo está pensando em escalar três atacantes: Gil, Luizão e Éwerthon. No meio-de-campo, Otacílio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.