Corinthians vence e é o 1º finalista

Com mérito e moral, o Corinthians bateu o Palmeiras por 4 a 2, neste sábado à noite, no Morumbi, e garantiu vaga na final do Campeonato Paulista. Gil, Liedson e companhia passaram fácil pela improvisada defesa do rival, que não conseguiu se acertar em quase nenhum momento dos 90 minutos. A Fiel tem motivos de sobra para comemorar. Além de ter derrotado com facilidade o arquiinimigo, o time chegou à 4ª decisão em pouco mais de um ano. Em 2002, ganhou o Rio São Paulo e a Copa do Brasil e foi vice-campeão brasileiro. O Corinthians aguarda, agora, o adversário, que sairá, neste domingo, do confronto entre São Paulo e Portuguesa Santista. Só uma grande zebra tira o São Paulo da final. A equipe pode perder por até 4 gols de diferença. Os corintianos terão a vantagem de dois empates na decisão caso a equipe do Morumbi perca ou empate em Santos. Um triunfo passará esse benefício aos são-paulinos.Os corintianos tiveram momentos brilhantes no clássico, porque contam com jogadores capacitados, como o veloz e habilidoso Gil, que se recuperou de contusão e retornou aos gramados, e o artilheiro Liedson, um perigo dentro da área. Mas também tiveram o trabalho facilitado pelo rival. O Palmeiras não pôde contar com os zagueiros Índio e Leonardo, suspensos, e Gustavo, Dênis e Glauber, machucados. Por isso, o técnico Jair Picerni foi obrigado a improvisar. Pôs o volante Claudecir e o lateral-esquerdo na defesa. Adãozinho também atuou no setor. A tentativa não deu certo. Claudecir e Everaldo falharam demais e não foram capazes de conter o ímpeto do adversário. O próprio goleiro Marcos admitiu, após o jogo, que estava pessimista. ?É muito difícil atuar com dois jogadores improvisdos na zaga, mas não queria falar para não tirar a confiança do nosso time.?Como se não bastasse o problema na zaga, o Palmeiras cometeu um erro fatal. Picerni, que vinha fazendo mistério, tirou um coelho da cartola de última hora. Escalou três atacantes, Anselmo, Thiago Gentil e Muñoz, e não foi feliz. A equipe entrou em campo muito exposta e o jogo foi praticamente definido em pouco mais de 15 minutos.O Corinthians não tomou conhecimento das falhas do inimigo e começou como uma máquina mortífera. Em pouco tempo, já vencia por 3 a 0. Fazia tabelas dentro da área, chegava a humilhar os palmeirenses. São Marcos sofreu uma barbaridade. Defendia uma bola e ia pegar outra dentro do gol. Liedson, de cabeça, após falha de Claudecir, abriu o placar e Gil marcou por duas vezes. Na primeira, driblou o goleiro e só teve o trabalho de empurrar a bola para as redes. Na segunda, aproveitou rebote de Marcos.Daí para a frente, o Corinthians se acomodou, mas a vitória já estava assegurada. Picerni, desesperado e perdido, tentou corrigir o erro ao pôs Pedrinho no lugar de Anselmo. Já era tarde demais. O Palmeiras mostrava força de vontade, como durante toda a competição. Mas só determinação não é suficiente. Um pouco de futebol é necessário e isso está faltando à equipe, que não tem astros no time, com exceção de Marcos, um artilheiro ou um meia que arme jogadas e crie perigo.A equipe de Palestra Itália conseguiu diminuir, após jogada de Muñoz, que acertou o travessão. Na volta, a bola bateu no corintiano Fabrício e entrou. O Corinthians fez o quarto gol na primeira etapa, em cobrança de pênalti de Rogério. E, no segundo tempo, preocupou-se apenas em administrar a grande vantagem. Para a sorte do Palmeiras, que escapou de levar uma goleada. Muñoz fez o segundo e os palmeirenses tentaram fazer mais um para amenizar o placar, mas Doni teve bom desempenho.Ao contrário do Corinthians, que vive fase gloriosa, o Palmeiras se vira com a série de fracassos, que vem afetando o clube desde o início do ano passado, quando foi eliminado da Copa do Brasil pelo ASA, de Arapiraca, e rebaixado no Campeonato Brasileiro. Na terça-feira, o time de Parque São Jorge enfrenta o The Strongest, pela Libertadores, e, na quarta-feira, o de Palestra Itália pega o Operário-MT, pela Copa do Brasil. Ficha Técnica - Corinthians 4 x 2 Palmeiras: Gols - Liedson aos 9, Gil aos 11 e aos 15, Fabrício (contra) aos 21 e Rogério (pênalti) aos 41 minutos do primeiro tempo; Muñoz, aos 16. Corinthians - Doni; Rogério, Fábio Luciano, Anderson e Kléber; Fabrício, Vampeta e Jorge Wagner; Leandro, Liedson e Gil. Técnico ? Geninho. Palmeiras - Marcos; Neném, Claudecir, Everaldo e Marquinhos; Corrêa, Adãozinho e Zinho; Anselmo (Pedrinho), Thiago Gentil e Muñoz. Técnico ? Jair Picerni. Juiz - Cléber Wellington Abade.Cartão amarelo ? Marquinhos. Local - Morumbi, SP.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.