Corinthians vence Santos e encerra jejum em clássicos

No esperado duelo entre Ronaldo e Neymar, quem brilhou neste domingo, no Pacaembu, foi Dentinho. Em tarde apagada daqueles que pintavam como as duas maiores estrelas do clássico entre Corinthians e Santos, o coadjuvante decidiu e, com um gol de cabeça, deu a vitória aos corintianos por 1 a 0.

THIAGO ARANTES, Agencia Estado

22 de março de 2009 | 18h21

A vitória encerrou um série de maus resultados corintianos em clássicos paulistas. Desde o dia 7 de outubro de 2007, quando venceu o São Paulo também por 1 a 0, o clube não derrotava um de seus três maiores rivais. Desde então foram três empates e duas derrotas. Com o resultado, o time do Parque São Jorge chegou a 33 pontos, mantendo o segundo lugar na tabela de classificação do Campeonato Paulista - o Palmeiras lidera com 37.

Para o Santos, o resultado marcou o fim de uma série de nove jogos sem derrota sob o comando de Vagner Mancini - até este domingo, eram sete vitórias e dois empates. O clube continua com 27 pontos, fora do G-4 do torneio estadual.

Para manter seu bom retrospecto à frente do clube, Mancini optou por escalar o Santos com três atacantes. O garoto Neymar, de apenas 17 anos, começou como titular ao lado de Roni e Kleber Pereira. No meio-de-campo, Lúcio Flávio era o responsável pela armação, com Germano e Rodrigo Souto encarregados de proteger a defesa.

O Corinthians, com Ronaldo e Dentinho no ataque, começou melhor a partida. Com superioridade no meio-campo, a equipe comandada por Mano Menezes não deixava o Santos aproximar-se com perigo do gol. Neymar, em seus primeiros minutos no clássico, mostrava-se nervoso.

A primeira boa chance da partida aconteceu aos 12 minutos, e foi do Corinthians, com Dentinho. O atacante tentou de cabeça após cruzamento de Boquita pela direita, mas a bola passou por sobre o gol defendido por Fábio Costa.

Três minutos depois, Dentinho não perdoou. Em mais um lançamento na área - desta vez de Douglas, pela esquerda -, o atacante tocou novamente de cabeça, desta vez no canto esquerdo de Fábio Costa, e abriu o placar no Pacaembu.

Depois de marcar, o Corinthians continuou melhor na partida. O Santos não conseguia ameaçar o gol de Felipe. Para piorar, os volantes Germano e Rodrigo Souto, principais encarregados da marcação no meio, receberam cartões amarelos antes dos 20 minutos de jogo. Depois dos 30 minutos, o Santos passou a incomodar mais a defesa corintiana. Aos 40, Neymar apareceu bem pela primeira vez na partida e chutou de fora da área, levando perigo ao gol de Felipe.

Enquanto a jovem promessa santista começava a despontar, Ronaldo mantinha-se apagado. O camisa 9 do Corinthians só aparecia quando voltava para buscar jogo, e deu um único chute a gol, aos 22 minutos, para defesa tranquila de Fábio Costa.

A segunda etapa começou como terminou a primeira: com o Santos ofensivo e o Corinthians acuado em seu campo de defesa, à espera dos contra-ataques. A equipe santista quase conseguiu o empate aos 9 minutos, quando Neymar entrou livre e, na marca do pênalti, chutou para defesa de Felipe. O Corinthians, então, passou a lançar-se mais ao ataque, e teve boas chances de marcar, primeiro com Ronaldo, e depois com Chicão, mas ambos erraram a pontaria no momento da conclusão.

Diante da postura mais ofensiva do rival, o técnico Vagner Mancini resolveu colocar mais um jogador de meio-campo, Madson, no lugar de Neymar. A substituição não agradou à torcida santista, que lamentou a saída do jovem atacante no momento em que ele começava a se soltar em campo. Aos 29 minutos, foi a vez de outra aposta das categorias de base do Santos entrar em campo. O meia Paulo Henrique substituiu Lúcio Flávio, em mais uma tentativa de Mancini para empatar a partida.

Enquanto o Santos mudava, Ronaldo permanecia em campo. O atacante, apesar da atuação apagada, tentava participar do jogo, mas não conseguia repetir o desempenho das partidas contra Palmeiras e São Caetano. Aos 36 minutos, visivelmente cansado, o atacante enfim foi substituído, para dar lugar a Jorge Henrique.

Nos minutos finais, as duas equipes deixaram a organização tática em segundo plano, mas nem por isso o clássico perdeu em emoção. O Santos buscou o empate até os últimos lances, mas esbarrou mais uma vez na defesa corintiana.

O Corinthians volta a campo na quarta-feira, quando pega a Ponte Preta, novamente no Pacaembu, pela 16ª rodada do Paulistão. Já o Santos tenta retornar ao G-4 em confronto direto com o Santo André, também na quarta-feira, na Vila Belmiro.

Ficha técnica:

Corinthians 1 X 0 Santos

Corinthians - Felipe; Alessandro, William, Chicão e André Santos; Cristian, Elias (Fabinho), Boquita e Douglas; Dentinho (Morais) e Ronaldo (Jorge Henrique). Técnico: Mano Menezes

Santos - Fábio Costa; Luizinho (Pará), Fabão, Fabiano Eller e Triguinho; Rodrigo Souto, Germano e Lúcio Flávio (Paulo Henrique); Neymar (Madson), Roni e Kléber Pereira. Técnico: Vagner Mancini.

Gols - Dentinho, aos 15 minutos do primeiro tempo

Árbitro - Rodrigo Martins Cintra (SP).

Cartões amarelos - André Santos e William (Corinthians); Germano, Rodrigo Souto, Fábio Costa e Luizinho (Santos).

Renda - R$ 1.047.750,00.

Público - 33.356 pagantes (34.693 total).

Local - Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.