Corinthians venceu graças a Márcio

Dizer que Márcio Bittencourt teve papel decisivo na virada do Corinthians neste domingo não é exagero. Sua decisão, tomada no intervalo, de trocar Wendel pelo atacante Bobô foi fundamental para que o time reagisse. Foram dois gols em nove minutos, ambos de cabeça e o primeiro do próprio Bobô. Depois, o Corinthians até foi um pouco pressionado, mas os jogadores demonstraram confiança e souberam segurar o resultado."Não fiz muita coisa. Precisava tomar uma atitude, pois o time precisava de mais força na frente, e felizmente tomei a atitude certa?, disse Márcio. "No vestiário, procurei passar tranqüilidade aos jogadores, pois conheço bem um por um. Foi coisa de vestiário, de amigo e de ex-jogador?, disse o treinador.Antes mesmo de o Corinthians virar - no intervalo quando a equipe perdia -, Paulo Angioni, diretor da MSI, pedia paciência com Márcio. E depois da vitória ele ainda não se sentia em condições de reinvidicar uma efetivação. "Não me dou o direito hoje de pensar em ser treinador do Corinthians. Sinceramente não estou preocupado com isso. Só penso em trabalhar, sou funcionário do clube.?Mas os jogadores querem a permanência de Márcio. "Essa vitória é importante para o Corinthians, que está passando por um momento difícil, para nós e também para ajudar o Márcio, que estou mostrando um grande carinho com a gente?, disse o meia Carlos Alberto.Jogador que teve a carreira marcada pela passagem no próprio Corinthians, nas décadas de 1980 e 1990, Márcio atribui a quatro fatores a reação do time em relação às últimas partidas sob o comando de Daniel Passarella: confiança, amizade, carinho e respeito, entre ele e o grupo de jogadores. "O grupo estava pressionado, mas não inseguro, pois eu estava passando confiança para eles. Acho inclusive que, no primeiro tempo, mesmo perdendo o time não se descontrolou?, analisou. "Mas tem muito a evoluir. Comigo ou com outro treinador, é preciso melhorar bastante.?Angioni virou um defensor intransigente de Márcio nos últimos dias. Como os técnicos dos sonhos do Corinthians - Leão, Vanderlei Lucemburgo e até Luiz Felipe Scolari - estão empregados, ele entende que não adianta contratar qualquer outro. "Aí, o time perde três vezes e vão pedir para que saia. Meu objetivo é que o Márcio dê certo?. Então, por que Passarella não ficou, já que as opções são poucas? "O time vinha de duas derrotas. Já pensou se perde do Atlético, que confusão que seria??

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.