Corintianos admitem que altitude atrapalhou o time

Zagueiro Paulo André estava com tontura desde o intervalo do confronto com o San José

AE, Agência Estado

21 de fevereiro de 2013 | 10h54

ORURO - Após o empate por 1 a 1 com o San José, ocorrido na noite da última quarta-feira, no Estádio Jesus Bermúdez, os jogadores corintianos admitiram que a altitude de 3.700 metros da cidade boliviana de Oruro atrapalhou o rendimento da equipe dentro de campo.

O zagueiro Paulo André, por exemplo, estava se sentindo mal, com tontura, desde o intervalo do confronto e acabou sendo substituído por Felipe aos 28 minutos do segundo tempo. Ele pediu para sair, após ter atendido ao pedido do técnico Tite de seguir em campo durante pelo menos uma parte da etapa final.

"O jogo foi bom. Nós poderíamos ter vencido, mas a altitude realmente influencia. Jogamos bem e talvez o empate não tenha sido o resultado mais justo", disse o defensor, que depois ressaltou: "Nos superamos mais uma vez e conseguimos suportar a altitude. É mérito de todos os jogadores e da comissão técnica. Mas é mais cansativo, é muito difícil jogar aqui".

O atacante Guerrero, autor do gol corintiano diante do San José, seguiu a mesma linha de discurso do seu companheiro após a partida. "Tivemos muitas oportunidades, mas jogar na altitude é muito difícil", reconheceu.

Já o atacante Jorge Henrique deixou o jogo diante do San José contundido. Ele sentiu uma lesão no início do segundo tempo, aos 13 minutos, e precisou ser substituído. Renato Augusto entrou em seu lugar. Emerson, por sua vez, deu lugar a Alexandre Pato na etapa final após perder pelo menos duas grandes chances de marcar, sendo uma delas ao chutar da pequena área, com o goleiro já batido, no pé da trave.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa LibertadoresCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.