Corintianos apedrejam ônibus antes de jogo com Santos

Torcida apedrejou os veículos das duas equipes

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2013 | 17h48

ARARAQUARA - Jogar no interior é sinônimo de grande festa. Mas mais uma vez o espetáculo deu espaço para cenas lamentáveis de selvageria de torcidas. Neste domingo, em Araraquara, antes do clássico entre Corinthians e Santos, os corintianos recepcionaram as duas delegações com chuva de pedras e latas de cerveja. Faltavam pouco menos de duas horas para a partida começar quando o ônibus do Corinthians chegou ao estádio. No meio de muita festa, algumas latas de cerveja foram atiradas contra o veículo. A bronca da torcida, desde a chegada na cidade, ainda na sexta-feira à noite, era com a presença de Alexandre Pato no grupo após o pênalti perdido diante do Grêmio, pela Copa do Brasil.

A barbárie, contudo, aconteceu poucos minutos depois, quando os santistas chegaram à Arena Fonte Luminosa. Aqueles mesmos corintianos que protestavam contra um de seus jogadores resolveram descontar a raiva contra o ônibus santistas. Desta vez, de forma mais selvagem, com inúmeras pedras e latas de cervejas cheias atiradas contra o veículo rival. Três vidros ficaram estilhaçados e um quebrou, quase ferindo o massagista Clóvis Vesco. "Por sorte, saímos todos ilesos", afirmou o assessor de imprensa santista. E, quem diria, o ato inconsequente foi realizado por corintianos comuns, como descreveu o funcionário do Santos. "Não tinha nenhuma pessoa com roupa de torcida organizada naquela hora."

A caravana com as organizadas corintianas chegou a Araraquara a menos de uma hora de o jogo começar. E os ônibus pararam um pouco distante do estádio da Ferroviária. Mesmo assim, é possível que novamente o Corinthians seja julgado por um ato violento de seus torcedores. O jogo deste domingo foi o quarto jogo de pena longe do Pacaembu. Ainda vai enfrentar o Fluminense longe de seus domínios. A confusão só não foi maior graças ao monitoramento da Polícia Militar, que captou as cenas de selvageria e rapidamente conteve o tumulto. Mesmo assim, o helicóptero de seu batalhão acabou acionado para evitar novos tumultos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.