Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Corintianos deixaram Morumbi sem rumo

Seguranças fortíssimos carregavam os jogadores do Corinthians para fora do Morumbi. A idéia era não falar com ninguém. Era um time acuado que deixava o estádio. Renato, um meia com 137 jogos e 15 gols marcados, agora joga como lateral. Ele se irrita com o posicionamento do repórter Ricardo Perrone, como se irritara com o posicionamento de Ânderson, seu companheiro de zaga, e inicia uma discussão. Depois, ainda escoltado por seguranças, fala. ?Briga em campo é natural. Significa que todo mundo quer ganhar e por isso se esforça. Está tudo superado, não vamos falar mais nisso.?E aí vem Rincón, que nem precisa de segurança. Com um balançar de cabeça, ele responde que não quer falar sobre o jogo. ?Realmente, a atuação do Rincón hoje ficou longe de muitas outras que fez pelo Corinthians, mas temos de elogiar o seu esforço?, responde Oswaldo quando perguntado se esse foi o pior jogo da vida de Rincón. O jogador fez um gol contra, tropeçou na bola no primeiro tempo, deixou que ela passasse por baixo de sua chuteira no segundo e foi substituído. Os gritos de ?Rincón, Rincón?, desta vez vieram da torcida palmeirense.O colombiano, de 37 anos, está cada vez mais nervoso. Na saída do primeiro tempo, discutiu com o repórter Roberto Carmona, da Rádio Transamérica. Na volta para o segundo tempo, deu um beijo em Carmona, selando a paz. A goleada de ontem foi o 152º jogo de Rincón no Corinthians. Marcou 11 gols.Gil pára e fala. Fala coisas difíceis de reconhecer na partida que acabou. ?Nós estávamos melhores do que o Palmeiras, o jogo estava muito bom para nós, mas aí saiu o gol deles e tudo se acabou. Quando a gente sai atrás, não reage. E isso já vem acontecendo há muito tempo.?Para ele, só esforço não está resolvendo. ?Nós buscamos forças dentro de nós para reagir, só que não encontramos. Faço tudo para acertar, mas não consigo. Está difícil continuar assim, sem resultado.?Os esforços para marcar não estão dando certo há muito tempo. O último gol de Gil foi assinalado em 9 de novembro de 2002, contra o Goiás, na vitória por 2 a 0. O outro gol foi marcado por Jamelli, que deixou o clube no ano passado. São 176 dias sem fazer um gol. ?Isso me deixa triste, não sei como explicar. Sei que o time está muito tenso e isso é muito ruim. Temos que ver um jeito de mudar as coisas porque a nossa torcida não merece isso. O campeonato já tem cinco rodadas e está na hora de reagir.? Gil tem 202 jogos e 47 gols pelo Corinthians.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.