Corintianos estão em estado de graça

Gustavo Nery voltava para casa após a histórica noite de quarta-feira, na qual marcou o quinto e decisivo gol do Corinthians sobre o Cianorte (5 a 1), pela Copa do Brasil, quando teve de descer de seu carro, em plena Avenida Paulista. "Eram alguns torcedores do Corinthians. Eles me fizeram parar, descer e conversar com eles", contou o lateral-esquerdo.Nem deu tempo de estacionar o automóvel, foi no meio da rua mesmo, lembrou. "Fiquei uns 30 minutos tirando foto e a cada minuto aumentava o número de gente." O jogador disse ter ficado emocionado ao ver o Pacaembu lotado. "A força dessa torcida é impressionante, me arrepiava", revelou. "Ficaram do nosso lado os 90 minutos, não pararam de gritar em nenhum momento". Gustavo Nery é são-paulino, mas pende para o lado alvinegro. "Jogo aqui, visto a camisa daqui. É natural que a gente torça para o clube." Outro que rasgou elogios à torcida foi o meia Roger. Acostumado a estádios lotados, garantiu ter detectado algo diferente entre os corintianos. "Eles não desistem nunca. É uma torcida realmente especial". Destaque do duelo com os paranaenes, espera ter garantido de vez a vaga de titular. "Não estou 100% ainda, mas sei que posso ajudar bastante o time".Roger evitou badalação depois da goleada. Encaminhava-se tranqüilamente para sua residência, próxima ao Pacaembu, quando... "Os torcedores de dois carros me reconheceram pertinho de casa, aí tive de parar e conversar com eles." O meia mostrava um sorriso de orelha a orelha nesta quinta, durante a entrevista coletiva dada no Parque São Jorge, e foi nesse tom que pediu aos corintianos para lotarem sempre os estádios onde a equipe jogar."Com a torcida do nosso lado, as coisas ficam mais fáceis. Nos sentimos estimulados. Conto com esse apoio sempre." Um dia após a classificação para as oitavas-de-final da Copa do Brasil, a descontração no treinamento era evidente. Os torcedores compareceram em peso.O zagueiro Betão, destoando dos companheiros, não se surpreendeu com o barulho vindo das arquibancadas do Pacaembu. "Nós, que viemos das categorias de base do Corinthians, sabemos que aqui é sempre assim. Não interessa o jogo, não interessa a competição, a torcida vai onde a gente estiver, está sempre incentivando e cobrando", justificou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.