Corintianos festejam triunfo em 'guerra' paraguaia

Depois de vencer o Cerro Porteño por 1 a 0 e assegurar a liderança isolada de sua chave na Copa Libertadores da América, o time corintiano deixou o campo do Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, satisfeito por não ter se rendido ao clima de "guerra" e provocação criado pelos jogadores paraguaios dentro de campo.

AE, Agencia Estado

18 de março de 2010 | 11h29

"A guerra era da parte deles. A gente veio pra jogar futebol e tentar sair com pelo menos um ponto. No fim, saímos com 1 a 0 e jogamos melhor. O resultado não representou o que foi o jogo", afirmou o goleiro Felipe, que acredita que o Corinthians merecia um triunfo por um placar mais elástico no confronto.

O volante Elias também comentou a catimba que o Cerro tentou fazer para irritar os jogadores corintianos, lembrando que a equipe brasileira conseguiu manter os nervos no lugar para conquistar a vitória. "A equipe está de parabéns por essa guerra. Nós saímos com um bom resultado e os três pontos, que é o mais importante", comemorou o atleta.

Um dos responsáveis por conter os avanços do ataque adversário, Elias também foi ao ataque e lamentou a grande oportunidade de gol que perdeu após receber um belo passe de Roberto Carlos no primeiro tempo. "Tive uma chance clara de gol, a bola veio quicando e tive que bater rápido, mas o goleiro saiu bem," disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.