Corintianos mostram respeito ao Barras, adversário de quarta

Técnico Mano Menezes quer os atletas atentos para a estréia na Copa do Brasil; jogo será no Serra Dourada

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

12 de fevereiro de 2008 | 10h03

Todo Poderoso Barras! Parece piada, mas os jogadores do Corinthians estão definindo como "muito difícil" o duelo diante do desconhecido rival piauiense na estréia da Copa do Brasil, nesta quarta-feira, às 21h45, no Serra Dourada, em Goiânia. Fundado em 25 de novembro de 2004, o modesto clube, com folha salarial de R$ 55 mil mensais, não tem no currículo nem o título estadual. O máximo que conseguiu foram dois vices regionais e a sétima colocação da Série C de 2007. Veja também: Calendário e jogos da Copa do Brasil Mesmo assim, no Parque São Jorge todos falam como se fossem enfrentar Flamengo, Grêmio ou Cruzeiro. "O futebol de hoje é muito igual, as equipes maiores são mais estruturadas, mas no jogo as coisas são iguais", afirma o lateral-direito Alessandro, constrangido por não saber nem as cores da equipe piauiense - vermelho, azul e branco. "Não sei como é o uniforme deles, apesar de já tê-los enfrentado pelo Flamengo", diz, sem graça. E não conhece mesmo, pois jamais atuou frente o rival. O discurso comedido dos corintianos tem um dedo do técnico Mano Menezes. O treinador levou, em 2004, o modesto 15 de Campo Bom às semifinais, deixando pelo caminho o forte Vasco. Por isso, menosprezo está proibido. "Torcedor quer ver gols, espetáculo. Mas temos de pensar que lá (no Barras) tem excelentes atletas, jogadores à altura. Precisamos respeitá-los, pois a preparação no futebol é muito igual", observa o lateral-esquerdo André Santos, que no ano passado chegou à decisão com o Figueirense. O rodado Sergio Alves, de 33 anos e conhecido artilheiro do Nordeste, é a estrela do Barras, o "Leão do Marathaoan" - referência ao rio que cruza a cidade. Do mais, são jovens em busca de fama, como Dâmisson, Barata, Naná e Josivan. "É difícil enfrentar equipes consideradas pequenas, que ninguém conhece. Eles correm muito, acham que é a oportunidade da vida deles", afirma Alessandro. "Temos de estar precavidos para não ter surpresas." Um triunfo por dois gols nesta primeira fase elimina o jogo de volta. E seria bem interessante para o Corinthians, já que o desgaste físico de início de temporada começa a prejudicar o desempenho de alguns atletas. E atuar em Goiânia, apesar de fora do Estado, será bom. Motivo? O Barras não poderá jogar no Piauí, não obteve sucesso em mandar o duelo em Fortaleza e no Distrito Federal. Resumo: terá de jogar para um grande público de corintianos. "O corintiano vem nos apoiando em qualquer lugar, qualquer cantinho. E isso para a gente é perfeito, só temos de agradecer", faz juras de amor André Santos. "Todos estão gritando, nos apoiando e temos de tentar fazer os dois gols." Ganhar a Copa do Brasil é uma das metas do Corinthians no ano. A outra é voltar à Série A do Brasileiro. A caminhada começa nesta quarta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansCopa do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.