Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Corintianos pregam cautela após vitória sobre o Inter

Dentinho diz que clube não pode cometer no Beira-Rio os mesmos erros da final de 2008 contra o Sport

AE, Agencia Estado

18 de junho de 2009 | 00h34

O Corinthians não esteve bem entrosado apenas dentro de campo na noite desta quarta-feira, quando venceu o Internacional por 2 a 0 no Pacaembu, pelo jogo de ida das finais da Copa do Brasil. Depois do apito final, os jogadores também estavam com o discurso ensaiado: nada de comemorar antes da hora. Todos fizeram questão de lembrar que o título ainda está indefinido, e alguns ainda recordaram a decisão de 2008.  

 

Veja também:

link Corinthians bate Inter por 2 a 0 e fica perto do título

lista COPA DO BRASIL - Resultados e calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O atacante Dentinho foi um deles. "No ano passado ganhamos também de um placar bom e lá vacilamos", afirmou o jogador, se referindo à vitória por 3 a 1 sobre o Sport, que não serviu para compensar o 2 a 0 sofrido no Recife, que resultou na perda do título. Desta vez, o Corinthians não sofreu gols em casa. Mesmo assim, Dentinho acredita que o time tem que pensar em vencer no Beira-Rio. "Manter os pés no chão e procurar a vitória lá", recomendou.

Para o goleiro Felipe, que evitou um gol cara a cara com Taison, o placar tem que ser visto com cautela, já que ainda falta metade da final. "Uma vantagem boa, mas a gente sabe que só foi o primeiro tempo da decisão", disse. "Temos um clássico domingo [contra o São Paulo], mas vai ser difícil tirar o foco da final", admitiu. "Vamos ter a semana toda para recuperar os jogadores", afirmou Felipe, lembrando que o Corinthians folga no meio da próxima semana.

O discurso precavido continuou nas palavras do lateral-direito Alessandro. "Não tem nada ganho. Tem um jogo lá muito difícil. O Inter tem jogadores de qualidade, tem jogadores que vão voltar", opinou o jogador, se referindo aos quatro desfalques que o time gaúcho teve no Pacaembu. Negando que a vitória seja uma "larga vantagem", o lateral ainda apontou o temor pela pressão fora de casa. "Às vezes você sofre um gol lá no Beira-Rio e já dá um medo de sofrer outro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.