Arquivo/AE
Arquivo/AE

Corintianos rebatem críticas do presidente do Santos

Marcelo Teixeira teria dito que o rival é um time de 'Segunda', em alusão ao rebaixamento no Brasileirão de 2007

AE, Agencia Estado

23 de março de 2009 | 17h51

SÃO PAULO - Os jogadores corintianos não gostaram nada de ver o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, chamando o Corinthians de "time de Segunda", na saída do Pacaembu, após o clássico deste domingo, que teve derrota santista por 1 a 0. Nesta segunda-feira, os atletas pediram um pouco mais de respeito por parte do dirigente.

Veja também:

video TV ESTADÃO: Gol e a confusão na torcida

linkDentinho comemora fim de má fase no Corinthians

linkRonaldo avisa: 'Não vou marcar sempre'

linkMano comemora fim do jejum em clássicos

linkCorinthians vence o Santos pelo Paulista com show de Dentinho

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Ele estava nervoso porque tomou um coquinho, levou uma derrota pra casa", afirmou Dentinho, autor do gol corintiano no clássico de domingo. "Ele não tem direito de menosprezar o time do Corinthians. Um grupo muito grande. Tinha de manter a tranquilidade, mas deve ter se arrependido já."

O volante Elias, outro destaque do clássico, também reprovou as críticas do presidente do Santos. "Lamentável isso, um dirigente do futebol brasileiro menosprezar outra equipe muito grande. Ele sabe da nossa grandeza, ainda mais na nossa casa. Espero que daqui para a frente ele dê exemplo", afirmou o jogador.

A dupla também reprovou as cenas de briga nas arquibancadas do Pacaembu entre torcedores santistas e policiais militares. "Estava olhando e fica muito feio para o espetáculo, acabar com briga. Se quiser brigar vai para a rua, vai para uma luta livre. No estádio é para ver espetáculo e respeitar as duas equipes", pediu Dentinho. "Foi muito ruim para a imagem do futebol brasileiro, que está perto de hospedar uma Copa do Mundo. Espero que não se repita", endossou Elias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.