Coritiba afirma que erro é da CBF

O Coritiba vai tentar provar, ainda nesta terça-feira, por meio de diretores e funcionários que vão ao Rio, que a culpa pela não inclusão do atleta Carlos Eduardo Soares, o volante Ataliba, no Boletim Informativo Diário (BID), é do setor de registro da própria entidade nacional e não do clube. "É inconcebível que alguém seja punido por algo que não originou, pois o fato originário foge absolutamente ao nosso controle", afirmou na tarde desta segunda-feira o vice-presidente de Futebol, Domingos Moro. O objetivo é evitar a perda de seis pontos, em razão de Ataliba ter jogado contra o Guarani. No empate de domingo com o Fluminense, Ataliba ficou fora por contusão. Segundo Moro, o erro do Coritiba foi não ter checado com mais cuidado a listagem com 52 nomes que foi publicada no BID do dia 12."Deveria tê-lo verificado com exatidão para fazer alertamento ou questionamento à CBF." De acordo com a diretoria, o jogador tem contrato com o clube até o fim do ano. Em 2003, ele estava emprestado ao Sport e retornou ao Coritiba no início deste ano. Moro argumentou, na entrevista coletiva, que o regulamento da CBF estabelece que um atleta que foi objeto de empréstimo, quando do retorno automaticamente tem condições de jogo."O regulamento remete à CBF, ao setor de registro, a responsabilidade de incluí-lo no BID." Além disso, o Coritiba argumenta que o jogador atuou nos jogos da Taça Libertadores da América. O regulamento dessa competição estabelece que "só tem condição de jogo o atleta que esteja regularmente inscrito em sua associação nacional". "O Ataliba é jogador do Coritiba, tem contrato vigente com o Coritiba, está devidamente registrado na Confederação Brasileira de Futebol, por meio da Federação Paranaense de Futebol", reforçou o vice-presidente de futebol do Coritiba. "A CBF, por força do regulamento, é a responsável por emitir o BID." "Tudo o que for possível fazer será feito dentro do cumprimento da lei, dentro do cumprimento das normas", garantiu Moro. "É uma coisa que não deveria acontecer, mas agora cabe-nos tentar resolver isso." Ele disse que, caso haja julgamento, o Coritiba irá fazer sua defesa oralmente. "Vamos fazer o possível e o impossível para demonstrar que, se o Coritiba cometeu um erro (ao não ter checado a listagem), não pode ser punido por algo que não gerou." Ele admitiu que "a situação é delicada", mas, "na pior das hipóteses, não vamos nos abalar". "Isso só nos fortalecerá", prometeu. "Vamos fazer um grande campeonato, tentarmos vencê-lo e, na pior das hipóteses, chegar à Libertadores, com esses seis pontos ou sem esses seis pontos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.