Divulgação
Divulgação

Coritiba, Criciúma e Sport lideram ranking de quedas no Brasileiro

América-MG, Náutico e Santa Cruz também integram a lista, com quatro rebaixamentos; seis times têm três descensos no campeonato

Diego Salgado, O Estado de S. Paulo

01 Dezembro 2014 | 06h58

Os resultados da penúltima rodada do Campeonato Brasileiro esquentaram a briga contra o rebaixamento. Três times, Bahia, Palmeiras e Vitória, ainda correm risco de queda para a Série B - apenas um deles irá se livrar da degola. Criciúma e Botafogo, por sua vez, já têm como destino certo a segunda divisão em 2015. O time catarinense, com a campanha ruim neste ano, entrou para o rol de equipes com mais descensos da história do Brasileirão.

No total, o Criciúma soma quatro quedas - além da ocorrida neste ano. O clube caiu em 1988, 1997 e 2004. Outros cinco times também fazem parte da lista: América-MG, Coritiba, Náutico, Santa Cruz e Sport. Os paranaenses, que venceram o Atlético-MG por 2 a 1, fora de casa, neste domingo, escaparam de mais um descenso no torneio.

O Vitória, se não evitar a queda no próximo domingo, na última rodada, se juntará a Atlético-PR, Fortaleza, Guarani, Goiás e Portuguesa. Os times somam três rebaixamentos cada. Quatro equipes campeãs do Brasileirão já amargaram duas quedas: além do Botafogo, que não conseguiu evitar o novo rebaixamento ao perder para o Santos por 2 a 0 domingo, a lista traz Bahia (1997 e 2003), Palmeiras (2002/2012) e Vasco (2008/2013). Atlético-MG e Corinthians disputaram a Série B em 2006 e 2008, respectivamente.

O Grêmio caiu para a segunda divisão em 2004 e conseguiu retornar à elite no ano seguinte. Em 1991, entretanto, contou com uma mudança no regulamento para jogar na divisão principal. O fato se repetiu com o Fluminense em 1996 - no ano passado, o time carioca acabou entre os quatro últimos, mas conseguiu evitar o rebaixamento após a decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de tirar quatro pontos da Portuguesa.

O Joinville, campeão da Série B neste ano, retornou à divisão principal do futebol brasileiro depois de 28 anos. América-RJ e Bangu, rebaixados em 1988, tentam repetir o feito dos catarinenses. Os cariocas, porém, não disputaram nem a Série D desta temporada.

IMUNES

O rebaixamento no Campeonato Brasileiro começou a partir da edição de 1988, logo após a controversa Copa União de 1987. No começo da década de 1980, por exemplo, os times da Taça de Ouro - a primeira divisão - eram definidos por meio da classificação nos campeonatos estaduais. Dessa forma, Cruzeiro, Flamengo, Inter, São Paulo e Santos nunca disputaram a Série B do Brasileirão - com exceção dos dois paulistas, que se recusaram a jogar o campeonato de 1979, esses times também estiveram presentes em todas as edições do torneio.

PONTOS CORRIDOS

Desde a implantação dos pontos corridos, 11 times foram rebaixados em duas oportunidades: Coritiba, Criciúma, Figueirense, Fortaleza, Guarani, Náutico, Ponte Preta, Portuguesa, Sport, Vasco e Vitória. Algumas equipes têm uma história curiosa na competição ao conseguir o acesso à elite apenas uma vez, sendo rebaixadas nas edições seguintes. É o caso de Atlético-GO (2009 e 2012, respectivamente), Ipatinga (2007 e 2008), Prudente (2008, como Barueri, e 2010), além do Santo André (2008 e 2009).

QUATRO REBAIXAMENTOS

Santa Cruz

1988/1993/2001/2006

Coritiba

1989/1993/2005/2009

América-MG

1993/1998/2001/2011

Sport

1989/2001/2009/2012

Náutico

1992/1994/2009/2013

Criciúma

1988/1997/2004/2014

TRÊS REBAIXAMENTOS

Fortaleza

1993/2003/2006

Guarani

1989/2004/2010

Goiás

1993/1998/2010

Vitória

1991/2004/2010

Atlético-PR

1989/1993/2011

Portuguesa

2002/2008/2013

DOIS REBAIXAMENTOS

Bragantino

1996/1998

Bahia

1997/2003

Paysandu

1995/2005

Paraná

1999/2007

América-RN

1998/2007

Juventude

1999/2007

Ceará

1993/2011

Palmeiras

2002/2012

Figueirense

2008/2012

Vasco

2008/2013

Ponte Preta

2006/2013

Botafogo

2002/2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.