Coritiba e Atlético iniciam a decisão

Depois de quatro anos, a dupla Coritiba e Atlético inicia neste sábado, às 18 horas, ao Estádio Couto Pereira, em Curitiba, mais uma decisão do Campeonato Paranaense. Na última oportunidade, em 2000, o Atlético ficou com o título. Desta vez, o Coritiba corre atrás do bicampeonato e da derrubada da invencibilidade rubro-negra. Para isso, a primeira missão é tirar a vantagem atleticana. Foram colocados 37 mil ingressos à venda, 10% para os torcedores do Atlético. Depois de fazer uma partida medíocre quarta-feira em Assunção, contra o Olimpia, no empate por 1 a 1, pela Taça Libertadores da América, o atacante Aristizábal espera uma melhor sorte no clássico. "O mágico do futebol é justamente isso. A gente pode estar mal em um dia, mas três dias depois tem outra chance para fazer a coisa certa." Ele prevê um bom clássico. "Eles têm um bom time e nós também tentamos fazer nossa parte." O técnico Antônio Lopes não pretende fazer qualquer alteração na forma de o time jogar. "Não temos que mudar nada, apenas jogar como vem jogando, pois a equipe é aplicada." Segundo ele, um clássico exige apenas mais "espírito de competição". "Mas isso vem norteando nossa equipe." A única ausência é a do atacante Tuta, que cumpre suspensão pelo terceiro cartão amarelo. Seu substituto é a dúvida de Lopes. O atacante André Nunes e os meias Igor e Rodrigo Batatinha disputam a posição. Contra o Olimpia, o técnico gostou da formação com três atacantes, o que pode indicar a entrada de André Nunes. No entanto, ele também tem elogiado Rodrigo Batatinha nas últimas rodadas do Paranaense e a sua não inscrição para a Libertadores foi lamentada. Igor corre por fora, mas também goza de prestígio junto ao técnico. No Atlético, o técnico Mário Sérgio não poderá contar nem com o zagueiro Rogério Corrêa nem com o meia Adriano, que não se recuperaram de contusões. Mas isso não tem preocupado Mário Sérgio que costuma escalar o time sempre com alguma surpresa de última hora. Para não dar muitas dicas ao adversário, ele não realizou coletivo durante a semana, mantendo os jogadores concentrados desde terça-feira no centro de treinamentos. Nas conversas, a tentativa de tirar dos jogadores o peso da invencibilidade. "Ela só é válida se acompanhada do título." Os jogadores preferem falar sobre a necessidade de luta para conquistar a vitória. "Temos certeza que nossa equipe vai merecer o título porque será a mais brilhante, a mais guerreira", assegura o goleiro Diego. "O grupo está unido e fechado em busca do resultado", reforça o volante Alan Bahia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.