Coritiba e Paraná fazem clássico das semifinais no Paranaense

Duelo é marcado pelo contrataste entre a felicidade paranista e a frustração do Coritiba na Copa do Brasil

Evandro Fadel, Especial para O Estado de S. Paulo

12 de abril de 2008 | 11h15

Vivendo situações psicológicas diferentes, Coritiba e Paraná Clube enfrentam-se neste domingo, às 15h50, no Estádio Couto Pereira, na primeira partida entre os dois para definir quem será finalista no Campeonato Paranaense.   Enquanto o Paraná Clube teve uma semana toda para se preparar para a partida e comemorar a classificação para as oitavas-de-final da Copa do Brasil, o Coritiba foi desclassificado do mesmo torneio, quarta-feira, não conseguindo vencer o São Caetano, que jogou boa parte do segundo tempo com dois jogadores a menos.   As cobranças sobre os jogadores do Coritiba já vinham desde a primeira partida contra o São Caetano e aumentaram agora. O próprio técnico Dorival Júnior teve seu trabalho questionado e acabou assumindo a culpa pela desclassificação.    Coritiba Edson Bastos; Maurício, Jéci e Nenê (Pedro Ken); Marcos Tamandaré, Douglas Silva, Leandro Donizete, Carlinhos Paraíba e Ricardinho; Thiago Silvy e Keirrison. Técnico: Dorival Júnior.  Paraná Fabiano Heves; Daniel Marques, Luiz Henrique e João Paulo; Goiano, Jumar, Léo, Giuliano e Everton; Fábio Luiz (Cristian) e Joelson. Técnico: Paulo Bonamigo. Estádio: Couto Pereira, em Curitiba (PR).Horário: 15h50 (pelo horário de Brasília)Mas desta vez ele acredita que será tudo diferente. "Nossa recuperação é necessária neste momento", disse. O time deve ter alterações em razão das contusões dos laterais Dick e Rubens Cardoso, além do terceiro cartão amarelo do meia Marlos. O meia Pedro Ken também pode ficar fora se não se recuperar de contusão no joelho.   Depois de altos e baixos, o Paraná Clube chegou a esta fase do campeonato com o apoio total de seus torcedores. "O time tem jogado bem, tem correspondido, a torcida tem apoiado e isso tem feito a diferença", afirmou o meia Giuliano.   O técnico Paulo Bonamigo manteve apenas uma dúvida entre a utilização de dois atacantes, com a entrada de Fábio Luiz, ou no fortalecimento do meio-de-campo, entrando Cristian. "A equipe tem que entrar de maneira equilibrada, tem que jogar de forma inteligente para conseguir o resultado", salientou o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.