Coritiba joga mal mas vence Juventude

O Coritiba apresentou um futebol inferior ao do Juventude durante praticamente todo o jogo deste sábado, no Estádio Couto Pereira, em Curitiba, mas conseguiu aproveitar bem uma das poucas oportunidades que teve para marcar um gol e venceu por 1 a 0. Com 45 pontos, o time continua na 5ª colocação do Campeonato Brasileiro. Apesar da boa atuação conjunta, faltaram valores individuais que fizessem a diferença e transformassem em gol as várias chances criadas pelo Juventude. O time continua com 26 pontos e pode entrar na linha de rebaixamento.Ninguém esperava que o Juventude iniciasse o jogo com o ímpeto que demonstrou. Foi o time que mais buscou o gol, dando pouco espaço para possíveis contra-ataques do Coritiba. Com o conjunto bem armado taticamente, faltava apenas alguém para acertar o chute na hora do lance final. O maior perigo foi aos 38 minutos, quando o goleiro Fernando salvou o gol que viria dos pés de Geufer.A torcida não perdoou o time no intervalo e as vaias foram inevitáveis. "Nosso time não está brigando", reconheceu o técnico Paulo Bonamigo. Mas o principal problema estava no posicionamento dos jogadores. Com Jackson restrito à ala direita, o meio-de-campo ficava totalmente à vontade do adversário, que exercia forte pressão. "O Coritiba é um bom time, mas nós estamos fazendo com que não produza", comentou o técnico do Juventude, Raul Plasmann.O Coritiba voltou com a marcação um pouco mais adiantada para o segundo tempo, na esperança de segurar o meio-de-campo do Juventude. Mas os erros vinham se repetindo e a torcida impacientava-se. No entanto, mais uma vez o ditado "quem não faz, leva" mostrou-se verdadeiro. Aos 22 minutos, numa cobrança de falta, os zagueiros do time gaúcho foram para a área do Coritiba. O goleiro Fernando defendeu a cobrança e rapidamente acionou Marcel que, de cabeça, ajeitou para Edu Salles marcar. O Juventude continuou na pressão, mas novamente sentiu a falta de um finalizador. No último lance, Fernando defendeu uma cabeçada de Geufer e saiu de campo com a torcida gritando seu nome.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.