Coritiba não admite receber mala-branca

As insinuações de que o Coritiba estaria recebendo dinheiro do Corinthians para vencer o Internacional neste domingo foram prontamente refutadas pelo presidente do clube, Giovani Gionédis. "Não admito isso no Coritiba, não uso desse expediente e quero que o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) aja com tanto rigor quanto tem agido em outros casos do futebol", pediu Gionédis. "Tem que haver punição." Segundo ele, a corrupção sempre tem dois lados. "Quem se vende para ganhar também se vende para perder", afirmou. "Por isso sou totalmente contra." Ontem, o diretor do Goiás, Pedro Goulart, e o técnico Geninho tinham afirmado não ver irregularidades em oferecer ou receber dinheiro para vencer e insinuaram que o Coritiba estaria recebendo incentivo financeiro do Corinthians para derrotar o Internacional. Os jogadores estão concentrados para o jogo e o objetivo é que nada atrapalhe a fixação na vitória sobre o Internacional, um dos passos que precisarão dar para que o time se mantenha na primeira divisão. Além disso ainda precisarão contar com tropeços da Ponte Preta ou do São Caetano. Mesmo assim, hoje alguns deles dispuseram-se a comentar a chamada "mala-branca ". "Na nossa atual situação nem precisamos disso. Só os três pontos nos livram do rebaixamento. Como podemos, vivendo tal situação, pensar em oferta de outros clubes?", realçou o meia Caio. Capitão do time, o zagueiro Reginaldo Nascimento também refutou as especulações. "Comigo, não", afirmou. "Eu nunca vi ou participei de algo assim." O técnico Márcio Araújo preferiu levar na gozação em entrevista ao jornal Gazeta do Povo, de Curitiba. "Mala maior do que eu não tem. Branca também não serve. Se fosse verde, tudo bem...", ironizou. "Nem me envolvo com isso. Estou preocupado com o trabalho de campo."

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2005 | 17h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.