Agustín Marcarian / Reuters
Agustín Marcarian / Reuters

Cortado da Copa, argentino Lanzini passa por operação e só deve voltar em 2019

Atacante também perderá primeira metade do Campeonato Inglês, onde joga no West Ham

Estadão Conteúdo

15 Junho 2018 | 06h22

Cortado da seleção argentina às vésperas da Copa do Mundo, o meia Manuel Lanzini foi submetido a uma operação no joelho direito nesta quinta-feira. De acordo com a Associação de Futebol Argentino (AFA), o procedimento cirúrgico foi bem-sucedido. A previsão é de que ele retorne aos gramados somente em 2019.

Sampaoli mantém titulares, mas se preocupa com a defesa antes da estreia

+ Técnico tira responsabilidade da Islândia e joga pressão sobre a Argentina

+ 'Temos obrigação de estar entre os 4', cobra Burruchaga, herói argentino de 1986

Na operação, o ex-meia do Fluminense e hoje atleta do West Ham, da Inglaterra, teve recuperado o ligamento cruzado anterior do joelho direito que havia sido rompido durante um treino da seleção. Ele foi operado em Barcelona pelo médico Ramón Cugat, que já havia sido o responsável pela cirurgia no joelho de Sergio Agüero, em abril.

Após o procedimento, Lanzini precisará de ao menos seis meses de recuperação. Desta forma, além de perder a Copa do Mundo, ele vai ficar de fora da primeira metade da temporada europeia, pelo West Ham.

Sem poder contar com o meio-campista, o técnico Jorge Sampaoli convocou o volante Enzo Pérez, do River Plate, para compor a lista de convocados da Argentina para o Mundial da Rússia, que teve início nesta quinta-feira, em Moscou.

 

O jogador de 32 anos, que possui características mais defensivas, acabou sendo escolhido pelo treinador para o lugar de Lanzini também pelo fato de Lucas Biglia e Éver Banega, outros atletas chamados para este setor, lutarem para se recuperar de problemas físicos depois de terem sido incluídos na lista final de 23 convocados para o Mundial.

A Argentina está no Grupo D da Copa do Mundo, ao lado de Croácia, Nigéria e Islândia, e fará a sua estreia neste sábado, às 10 horas (horário de Brasília), em Moscou, contra os islandeses.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.