Issouf Sanogo/ AFP
Issouf Sanogo/ AFP

Costa do Marfim anuncia demissão do técnico Marc Wilmots após ficar fora da Copa

Federação afirmar que decisão tomada de 'comum acordo' com o treinador

Estadao Conteudo

15 Novembro 2017 | 11h30

O fracasso da Costa do Marfim na busca por uma vaga na Copa do Mundo de 2018, na Rússia, custou o cargo do treinador Marc Wilmots. A Federação Marfinense de Futebol (FIF, na sigla em francês) anunciou que o técnico belga foi desligado da função, em decisão tomada de "comum acordo" com a entidade.

+ Austrália bate Honduras por 3 a 1 e fatura a penúltima vaga na Copa do Mundo

+ Tite diz que Brasil aproveitou últimos testes e vê time 'sólido' para 2018

"A Federação Marfinense de Futebol e o treinador nacional, senhor Marc Wilmots, se reuniram na segunda-feira, dia 13 de novembro, em Abidjan, para fazer um balanço da missão que lhe foi confiada pela entidade. No final das discussões, as partes concordaram em encerrar o acordo de colaboração, agradecendo o bom ambiente vivido durante meses de trabalho em comum", destacou o comunicado publicado no site oficial da federação.

Marc Wilmots, de 48 anos, que treinou a Bélgica entre os anos de 2012 e 2016, havia sido contratado em março deste ano para comandar o selecionado marfinense por dois anos. No entanto, o insucesso na tentativa de conquistar a vaga no Mundial da Rússia pôs fim ao trabalho do belga.

Em sua conta pessoal no Twitter, Wilmots confirmou que a ruptura foi acordada entre as partes e desejou sucesso aos marfinenses. "Gostaria de agradecer aos torcedores, jogadores, estagiários, dirigentes e desejar-lhes o melhor para o futuro", escreveu o técnico em sua postagem.

A Costa do Marfim foi derrotada no sábado passado pelo Marrocos por 2 a 0, em casa, na partida decisiva para as pretensões do país em relação à Copa da Rússia. A seleção terminou o qualificatório africano na segunda colocação do Grupo C, com oito pontos. Marrocos foi o campeão da chave, com 12 pontos, garantindo a vaga para o Mundial do ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.