REUTERS/Mohammed Dabbous
REUTERS/Mohammed Dabbous

Costa Rica marca no início, segura Nova Zelândia e fica com última vaga na Copa do Mundo do Catar

Graças a Campbell, costarriquenhos ingressarão no Grupo E, ao lado de Espanha, Alemanha e Japão

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2022 | 17h22

A Costa Rica faturou nesta terça-feira a última vaga na Copa do Mundo do Catar, que será disputada entre novembro e dezembro deste ano. Jogando no país-sede do Mundial, o time da América Central venceu a Nova Zelândia por 1 a 0, no estádio Ahmad Bin Ali, em Al Rayyan, pela na repescagem intercontinental das Eliminatórias.

O confronto, decidido em jogo único, foi definido com gol aos dois minutos do primeiro tempo. Foi o suficiente para levar a Costa Rica para a sua sexta Copa do Mundo, sendo a terceira consecutiva - esteve em 1990, 2002, 2006, 2014 e 2018. Já a seleção neozelandesa, que caiu novamente na repescagem das Eliminatórias, tentava a vaga no Mundial pela terceira vez.

No fim do ano, a seleção costa-riquenha vai estar no complicado Grupo E, considerado um dos mais difíceis da competição, ao lado de Alemanha, Espanha e Japão.

O primeiro duelo entre Costa Rica e Nova Zelândia em uma competição oficial começou movimentado. Logo aos dois minutos, Campbell marcou o único gol da partida. Após cruzamento rasteiro da esquerda, o craque do time surgiu entre dois marcadores na entrada da área e mandou para as redes.

Depois do gol, a seleção neozelandesa passou a controlar o jogo, impondo pressão diante da retranca da Costa Rica. O time da Nova Zelândia dominava o meio-campo, tinha maior posse de bola, mas pouco ameaçava o gol defendido por Keylor Navas. Antes do intervalo, a equipe neozelandesa chegou a balançar as redes, aos 38, mas o árbitro anulou o lance com ajuda do VAR por conta de falta no início da jogada.

No segundo tempo, a Costa Rica passou a atuar ainda mais recuada e a Nova Zelândia criou lances mais perigosos. O experiente goleiro Navas, então, começou a trabalhar. Fez duas belas defesas que evitaram o empate.

Para piorar a situação dos neozelandeses, Barbarouses acertou carrinho por trás no tornozelo de Francisco Calvo e foi expulso. O cartão vermelho veio após consulta do árbitro ao VAR. Com um a menos, a Nova Zelândia não teve forças e nem ataque para buscar o empate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.