AFP
AFP

Cotado no Botafogo, técnico César Farías permanece na seleção da Bolívia, diz dirigente

Treinador era o nome mais forte para assumir o lugar de Bruno Lazaroni

Redação, Estadão Conteúdo

04 de novembro de 2020 | 10h14

O momento não é nada bom para o Botafogo. Eliminado nas oitavas de final da Copa do Brasil pelo Cuiabá, que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro, o que faz com que o clube, em grave situação financeira, perca a chance de faturar mais R$ 3,3 milhões em prêmios, a direção não consegue achar um técnico para substituir Paulo Autuori, demitido há cerca de um mês. O nome da vez é o venezuelano César Farías, que comanda a seleção da Bolívia, mas a Federação Boliviana de Futebol (FBF, na sigla em espanhol) nega que ele deixará o cargo.

"Hoje festejamos que Farías fica porque dificilmente um treinador recebe essa proposta, com todos os problemas que temos aqui, e segue em frente. Os mais de quatro anos que tem no país o fazem um boliviano", disse Marcos Rodríguez, presidente interino da entidade, em entrevista ao jornal boliviano Deporte Total.

O Botafogo fez uma proposta oficial por César Farias e espera por uma resposta do venezuelano, mas para o dirigente boliviano ele permanecerá na seleção até o fim do ciclo classificatório para a Copa do Mundo de 2022, que será realizada no Catar.

"O que conversamos é que ele (Farías) deixa claramente estabelecido que quer cumprir todo o processo que começou e concluir com a intenção de classificar para a Copa no Qatar. Me alegra que não pesou sobre ele o tema econômico, sim seu compromisso com a seleção", prosseguiu Rodríguez.

O presidente interino da FBF assegurou que o cargo de Farias está assegurado independente dos resultados contra o Equador, em La Paz, no próximo dia 12, e contra o Paraguai, em Assunção, no dia 17, pelas Eliminatórias. Nas duas primeiras rodadas, a Bolívia perdeu para Brasil (5 a 0, em São Paulo) e Argentina (2 a 1, em casa).

"Independentemente dos resultados, sua intenção é ficar porque sabe e confia que seu trabalho está apenas começando. O Comitê Executivo o respalda 100%. Por ele só pensar primeiro na Bolívia e apoiar o futebol boliviano, nós temos que ser condescendentes e retribuir tudo com o que ele quer passar com seu conhecimento, capacidade e trabalho específico", completou Rodríguez.

Farías, de 47 anos, está na seleção da Bolívia desde 2018, quando foi contratado após se destacar no comando do The Strongest, clube do futebol local. O treinador tem como objetivo de carreira abrir portas no mercado brasileiro e chegou a viajar pelo Brasil neste ano, antes da pandemia do novo coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.