Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Cotia retoma excelência na formação de base do São Paulo

Com correção de rota, clube espera ter cada vez mais jogadores da base no profissional

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

31 Outubro 2016 | 06h00

Por trás da ascensão de David Neres e de outros garotos das categorias de base ao profissional do São Paulo está uma área de 221.565,20 metros quadrados, com nove campos, hotel, alojamentos, 175 funcionários, entre técnicos, preparadores físicos, fisioterapeutas, cozinheiros. Inaugurado em 16 de julho de 2005, pelo presidente Marcelo Portugal Gouvêa, o Centro de Formação de Atletas Laudo Natel, em Cotia, está em evidência.

Eleito no fim de outubro do ano passado, o presidente Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, entendeu que era necessário uma correção de rota para que o clube pudesse retomar o histórico de revelar bons jogadores. O último havia sido Lucas, vendido ao Paris Saint-Germain por R$ 115 milhões, em 2013. Engenheiro de formação, Marcos Francisco de Almeida, 69 anos, 54 deles no São Paulo, foi designado para o cargo de diretor de futebol amador e, desde o dia 18 de março, implementou uma nova filosofia na Casa.

"Comparo o CT com uma universidade. Aqui temos um bom campus, temos de ter bons professores e bons alunos. E para ter bons alunos, o vestibular precisa ser sério", diz Marcão, como gosta de ser chamado. "Fazemos uma avaliação mais técnica, criteriosa..."

O sonho de Leco é ter em campo um time formado predominantemente por atletas forjados em Cotia. Isso nunca aconteceu. Diante da Ponte Preta, no jogo passado, o time teve cinco titulares revelados no clube. Nesta segunda-feira, contra o América-MG, serão pelo menos três. O número pode subir para quatro se Ricardo Gomes optar por Pedro em vez de Chavez no ataque.

Apenas nesta temporada, seis atletas da base subiram para o profissional. Além de Neres e Pedro, estão no elenco principal Luiz Araújo, Lucas Fernandes, Banguelê e Artur. Os próximos da fila são Éder Militão, que atua como zagueiro e volante, e o meia Shaylon, que encantou Leco em visita recente ao CFA de Cotia. "A presença da base no profissional será mais intensa em 2017", diz Marcão.

O foco não é recuperar o investimento com uma negociação, mas usufruir o garoto esportivamente. "Vamos revelar jogadores para jogar no São Paulo. Não para vender", comenta Marcão. "Se acontecer uma negociação, é consequência."

INVESTIMENTO

Hoje, o custo mensal do CFA de Cotia é de R$ 2 milhões. O São Paulo calcula investimento entre R$ 500 mil e R$ 600 mil na formação de apenas um menino desde o time sub-15 até o profissional. Esse valor que deve diminuir nos próximos anos, como resultado da nova política na base. O clube definiu teto salarial de R$ 8 mil até o jogador chegar ao profissional, além de corte no valor das luvas. Alguns atletas ganhavam R$ 20 mil de salário e R$ 200 mil de luvas no primeiro contrato aos 16 anos. "Agora temos gatilhos. Os garotos podem ganhar mais com prêmios por convocação à seleção, ida ao CT da Barra Funda (onde treina o profissional)... Não teremos salários elevados", explica.

Além da revisão no aspecto financeiro, o São Paulo criou uma metodologia própria de avaliação. "Você sempre tem critérios de avaliar por comparação simples, sabemos como se avalia no basquete americano, beisebol, soccer... Mas você precisa criar sua própria identidade no futebol."

Os jogadores são avaliados em campo e também fora dele. Eles passam por consulta com psicólogos periodicamente, sempre no sentindo de descobrir se estão prontos para enfrentar qualquer tipo de situação. Marcão implementou uma cartilha rigorosa. Pisou na bola três vezes seguidas significa o fim da linha. "Temos de cobrar. Está dando vida boa, tem de ter performance."

A vida boa, dita pelo dirigente, é a estrutura do CT de Cotia. Os garotos dos times sub-17 e sub-20 moram no hotel do local, com 71 suítes. Os mais jovens têm quatro alojamentos à disposição. São servidas quatro refeições diárias, além da disponibilidade de áreas de lazer e até uma sala para reforço escolar.

"Criamos um comportamento uniforme, horizontal, e eles não perdem o respeito. Trabalhamos para formar jogadores e cidadãos", diz o responsável.

DEPOIMENTO

Revelado pelo São Paulo, o meia Lucas Moura, do PSG, falou ao Estado sobre sua experiência na base são-paulina: 

"Morar em Cotia foi fundamental para minha vida e carreira. Foi importante não só como atleta, mas como homem. Cheguei lá com 13 anos, aprendi muitas coisas, como ter responsabilidade. Cresci muito como pessoa. A estrutura de Cotia é fantástica, tive tudo o que é necessário para chegar ao profissional. O São Paulo oferece o que é realmente importante para você se formar como atleta. Foi um período que marcou bastante a minha vida, que vou ser sempre grato ao clube. Com certeza me fez ser um jogador melhor e uma pessoa muito melhor também.

Não existe uma hora certa para subir da base. O jogador precisa estar preparado, esperando a chance. É preciso se dedicar em qualquer tipo de treinamento para quando for solicitado poder corresponder. Depois vai da qualidade do garoto e do técnico observar se ele está maduro, se ainda falta alguma coisa. O segredo é estar sempre pronto."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

Marco Aurélio Cunha vê geração especial sendo formada

David Neres é o grande nome do momento entre os garotos tricolores

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

31 Outubro 2016 | 06h00

Diretor executivo de futebol do São Paulo, Marco Aurélio Cunha confia no sucesso da safra que desembarcou no CT da Barra Funda nesta temporada. Para ele, o São Paulo tem de aproveitar esses meninos, como fez em outros momentos do passado. "O que acontece agora é o mesmo que ocorreu em 1984, com Silas, Muller e Sydney, ou nas gerações de Denilson e Caio ou ainda nas de Fábio Simplício, Júlio Baptista e Kaká. Existem épocas em que o clube tem grandes safras, mas isso não acontece sempre", comentou.

"Estes garotos estão no São Paulo desde muito cedo. Não chegaram formados. A gente quer meninos que tenham oportunidades por talento, não de maneira forçada. Esses garotos de Cotia têm talento."

A aposta do momento é David Neres, que estreou contra o Fluminense e marcou o primeiro gol diante da Ponte Preta, no jogo seguinte. Ele não sabia nem comemorar. Mas estava feliz. Além dele, o time promoveu outros cinco jogadores neste ano: Pedro, Luiz Araújo, Lucas Fernandes, Banguelê e Artur.

O elenco conta com mais nove criados nas categorias de base de gerações anteriores. Rodrigo Caio e João Schmidt são titulares com o técnico Ricardo Gomes, que ainda tem Wellington, Lyanco, Lucão, Auro, Matheus Reis, Léo e Breno à disposição. "Quando há vagas, eles têm oportunidade de atuar. Quando a safra é boa, ela convence. Os talentosos conquistam as vagas, e hoje nós temos estas vagas. Então, é nossa obrigação promover os meninos e dar oportunidade a eles", afirmou Marco Aurélio Cunha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.