Mahmoud Khaled / Reuters
Mahmoud Khaled / Reuters

Coutinho e Paquetá revelam alívio por fim de jejum e pressão sobre a seleção

Jogadores admitem que se sentiam pressionados pela falta de bons resultados após a Copa América

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2019 | 13h22

A seleção brasileira encerrou nesta terça-feira um jejum de cinco anos sem marcar um gol de falta na vitória do Brasil por 3 a 0 sobre a Coreia do Sul, no estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dabi. O autor do gol foi o meia Philippe Coutinho, aos 35 minutos do primeiro tempo - a cobrança acertou em cheio o ângulo direito do goleiro sul-coreano. Foram 72 jogos sem um gol de falta da equipe nacional.

O último gol de falta anotado pela seleção havia sido de Neymar, em amistoso contra a Colômbia no dia 5 de agosto de 2014, logo após a Copa do Mundo realizada no Brasil. O gol garantiu a vitória por 1 a 0 sobre os colombianos, em Miami, nos Estados Unidos.

Responsável pela cobrança precisa contra a Coreia do Sul, o meia do Bayern de Munique celebrou o triunfo em momento de pressão da seleção. "Ficamos felizes pela equipe ter jogado bem e merecido a vitória. A gente vem em um momento de bastante pressão, mas o resultado positivo e com boa performance é bom para começar a subir, melhorar e seguir nesse caminho", disse Philippe Coutinho em entrevista ao SporTV.

"Na palestra, o professor (Tite) falou para jogar tranquilo, esquecer a pressão que vem de fora e fazer o que estamos acostumamos nos clubes. Todo mundo esqueceu um pouco o lado de fora e fizemos o que tínhamos que fazer, com foco na busca pela vitória. Jogamos para frente", prosseguiu.

O confronto contra a Coreia do Sul foi o último jogo da seleção nesta temporada. Assim, o time volta a se reunir apenas em março de 2020 para o início das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022. "A vitória é sempre boa e traz muita coisa positiva. Então, devemos desfrutar desse momento, aproveitar que o time jogou bem. Agora, tem um período longo até a próxima convocação. Cada um precisa dar o melhor no clube, porque, quando voltar, vai ser valendo", avisou Coutinho.

Autor do primeiro gol da vitória brasileira, o meia Lucas Paquetá revelou que estava mais aliviado por ter marcado e feito um bom jogo, depois da fraca atuação na derrota para a Argentina.

"No jogo da Argentina eu particularmente me cobrei muito e perdi um pouco da confiança logo nos primeiros passes. Mas eu tive apoio do elenco e do professor. Eu sempre me cobrei muito, às vezes até em excesso. Sabia da importância do jogo (contra a Argentina), da oportunidade, mas acabei não aproveitando. Aí conversei com o Tite e ele disse: 'Não, não é que você não aproveitou, você levou como amadurecimento'. Hoje (terça-feira) eu tive a chance de fazer um bom jogo", comemorou o jogador do Milan, em entrevista à TV Globo ainda no gramado.

Na comemoração de seu gol, Lucas Paquetá homenageou o filho Benício, que está para nascer. O jogador revelou ansiedade por marcar e declarou apoio ao Flamengo, na decisão da Copa Libertadores contra o River Plate, no melhor estilo torcedor rubro-negro. "Mengão na veia! 'Tamo' junto. E sim, estava ansioso para esse gol sair no Milan, acabou que saiu aqui. Dedico à ele. Que venha com muita saúde, estamos muito felizes", completou.

Para Entender

Programação de tv

Veja as principais atrações esportivas do dia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.