Reprodução
Reprodução

Couto Pereira tem um dia de reencontros neste domingo

CURITIBA - Há um ano, quando decidiu voltar ao Brasil depois de nove anos fazendo história no Fenerbahce, da Turquia, Alex recebeu uma oferta do Cruzeiro. Era a chance de retornar ao último clube que defendeu no País, e pelo qual foi campeão mineiro, da Copa do Brasil e brasileiro em 2003, mas o craque ouviu o torcedor que carrega dentro dele e escolheu o Coritiba. Hoje, Alex tem motivos para estar arrependido da escolha. Enquanto o seu Coxa Branca despencou no Campeonato Brasileiro e luta para não ser rebaixado, o Cruzeiro faz uma caminhada tranquila rumo ao título.

O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2013 | 07h30

Às 18h30, Alex vai enfrentar a equipe mineira pela primeira vez desde que se mandou para a Turquia - ele ficou fora do confronto válido pelo primeiro turno. E o reencontro não poderia acontecer em momento pior para o meia. Depois de um início de Brasileiro deslumbrante, Alex não resistiu à tresloucada maratona de jogos a que as equipes são submetidas no Brasil e seu corpo começou a falhar. Depois de passar algum tempo fora de ação, ele retornou à equipe há algumas rodadas, mas é evidente que não estão tão bem quanto no início do torneio.

Os problemas físicos de Alex ajudam a explicar a decadência do Coritiba no campeonato. A equipe começou o Brasileiro cotada para brigar pelo título, depois foi relegada ao bloco intermediário e, como não parou de cair, encontra-se agora às portas da zona de rebaixamento - para onde pode ir ao fim da rodada em caso de derrota.

O desempenho do Coritiba no segundo turno é terrível. Em dez rodadas, venceu só uma partia (1 a 0 sobre o Santos). Não por acaso, é o pior time do returno, com seis pontos.

O Cruzeiro, por outro lado, vai muito bem, obrigado. É verdade que o time recentemente sofreu duas derrotas consecutivas, para São Paulo e Atlético-MG, mas já se recuperou e não parece haver algum adversário capaz de brigar com os mineiros pela taça.

Com a equipe jogando tão bem, não é de se estranhar que os torcedores do Cruzeiro não lamentem a opção de Alex pelo Coritiba. A vaga que seria dele foi muito bem ocupada por um jogador de quem pouco se esperava: Everton Ribeiro. O meia celeste não tem tanta intimidade com o gol quanto o veterano capitão do Coritiba (Everton marcou cinco gols no Brasileirão, a metade de Alex), mas é nas assistências que ele se destaca. Foram sete na competição, apenas uma a menos do que os líderes nesse quesito, Seedorf e D’Alessandro.

Com sua facilidade para deixar os companheiros em condições de marcar, Everton se tornou a peça mais valiosa do líder do campeonato e hoje, assim como Alex, viverá um dia de reencontro. Foi no Coritiba que o jogador revelado pelo Corinthians, mas pouco aproveitado pelo clube alvinegro, começou a esboçar o belo futebol que exibe com a camisa azul. E que a torcida do Coxa espera não ver de novo no Couto Pereira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.