CPI entrega relatório à Fifa nesta 5ª

Uma missão de quatro deputados entregará, nesta quinta-feira ao presidente da Fifa Joseph Blatter, um documento com as informações sobre as investigações envolvendo a falsificação de passaporte dos jogadores brasileiros que são transferidos para a Europa. Segundo o deputado Jurandil Juarez (PMDB-AP), o objetivo do encontro, que ainda contará com a presença do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, será auxiliar a Fifa na investigação que está promovendo sobre a situação desses documentos.Segundo o deputado, o primeiro caso identificado de falsificação de documentos de brasileiros ocorreu na transferência do jogador Jeda, do União São João, para o Vicenza, da Itália. De acordo com Juarez, caso o jogador adquirisse um passaporte europeu, o valor de seu passe triplicaria. No caso de Jeda, a transferência passaria de US$ 300 mil para US$ 1 milhão.As equipes européias possuem uma cota de jogadores do exterior que podem atuar nos campeonatos nacionais. Com o passaporte europeu, o jogador brasileiro passaria a ser considerado como mais um atleta da União Européia, e não como estrangeiro."No início, acreditávamos que a falsificação ocorreria apenas em poucos casos, mas quando passamos a investigar o tema, vimos que fazia parte de um dos esquemas de irregularidade do futebol e muita gente está ganhando dinheiro com isso", afirma o deputado. De fato, após o caso de Jeda, outros jogadores brasileiros já foram pegos com documentos falsos. Na Espanha, alguns foram presos após ficar constatado que o passaporte que utilizaram era de mulheres.Segundo Juarez, o relatório, que contou com a colaboração até mesmo da Interpol, irá conter os dados sobre as falsificações de documentos no País. "Embora o documento contenha apenas conclusões preliminares, estamos certos de que será util para a Fifa", afirma.O relatório ainda mostrará quais são os custos para a elaboração do passaporte falsificado. Segundo o deputado, o valor cobrado por documento é de cerca de US$ 25 mil. Juarez acredita que existe um circuito por onde os dados dos jogadores passam até que o novo documento seja produzido. As informações seriam enviadas ao Maranhão, onde seriam modificadas. O restante do processo ocorreria em Portugal.Como o país faz parte da União Européia, os jogadores com passaporte português acabariam fazendo parte da cota de jogadores comunitários que cada equipe européia tem direito.Bélgica - Após o encontro desta quinta-feira com Blatter, os deputados brasileiros seguirão para Bruxelas. Os parlamentares serão recebidos pelo senado belga e irão debater o caso de jogadores menores de idade que são transferidos do Brasil para os países europeus. "A Bélgica é a porta de entrada para esses jogadores e vamos discutir o assunto com os representantes locais", concluiu o deputado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.