CPI marca depoimento de Eurico

O presidente do Vasco da Gama, deputado Eurico Miranda (PPB-RJ), vai depor dia 11 de setembro na CPI do Futebol que, entre outras denúncias, investiga desvio de recursos do clube por intermédio de "laranjas" acionados pelos dirigentes do clube. Como parlamentar, ele tem a prerrogativa de escolher a data e o local em que vai ouvido.De acordo com o relator da comissão, senador Geraldo Althoff (PFL-SC), o dia do depoimento está certo, "é improrrogável", mas o lugar escolhido por Eurico, seu gabinete, encontra restrições. Althoff afirma que a CPI vai tentar chegar a um acordo com o deputado para encontrar outro local. Segundo ele, seria comissão aos membros da comissão se acomodarem num gabinete.O adiamento do depoimento de Eurico Miranda, previsto inicialmente para este mês, também vai atrasar os do presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira, e do presidente do Flamengo, Edmundo Santos Silva. Os senadores querem ouvir os três na mesma época, sem dar tempo a que eles se municiem diante das descobertas feitas pela comissão. A CPI tem centrado suas investigações nas suspeitas de lavagem de dinheiro, sonegação e evasão de divisas. Os trabalhos estão sendo dificultados pelas liminares concedidas pelo STF, mas ainda assim, segundo Althoff, os resultado obtidos pelo cruzamento de informações são bons.Os senadores entregam amanhã ao presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), mais duas representações contra Eurico Miranda. Numa delas, ele é acusado de ter afrontado os assessores da comissão que tentavam recolher documentos fiscais do clube, autorizados por uma ordem judicial. Na outra, os senadores acusam Eurico de ser um dos responsáveis pelo dinheiro depositado na conta do funcionário do Vasco, José Aremithas Lima, que atuaria como "laranja". Duas outras representações contra o deputado já estão na Corregedoria-geral da Câmara: o presidente da CPI, senador Álvaro Dias (sem partido-PR), pede providências contra "injúrias" que o deputado teria lhe feito durante uma entrevista. Na outra, o deputado Pedro Celso (PT-DF) pede que seja investigado a suspeita de que Eurico desviou um cheque do Vasco no valor de US$110 mil.Há, ainda, na Câmara três pedidos de autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para processar Eurico Miranda , dois pelos crimes de injúria e difamação e o outro, de iniciativa do Ministério Público, pela superlotação nas arquibancadas do estádio São Januário que desabaram no final do campeonato brasileiro do ano passado. O procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, encaminhou dois outros pedidos de processo contra o deputado ao STF, pelo desvio de verbas do Vasco, mas os pedidos para instaurar inquéritos ainda não chegaram à Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.