CPI: PT quer explicação de deputado

O presidente do PT, deputado José Dirceu (SP), informou hoje, no início da noite, que só na terça-feira (17), é que a direção do partido vai ouvir as explicações do deputado Carlos Santana (PT-RJ) acusado na CPI da CBF/Nike de haver recebido R$ 50 mil, em 9 de outubro de 1998, portanto uma semana após as eleições, como uma das doações feitas pela CBF. "Eu chamei o deputado Carlos Santana para uma reunião na terça-feira, quando eu, o deputado Geraldo Magela (secretário-geral) e o deputado Walter Pinheiro (líder da bancada na Câmara), vamos ouvir as explicações do companheiro. Dentro do PT nós não costumamos fazer pré-julgamento", advertiu Dirceu.O nome de Carlos Santana apareceu durante depoimento do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, nesta terça-feira, na CPI da CBF/Nike, ao lado de 11 outros parlamentares como os senadores José Agripini (PFL-RN) e Hugo Napoleão (PFL-PI) e o deputado Eurico Miranda (PPB-RJ) que receberam, cada um R$ 50 mil. Segundo Ricardo Teixeira o critério usado pela CBF, para patrocinar candidatos, "tem a ver com o interesse dos candidatos com o futebol".Embora sem admitir, Walter Pinheiro tem mostrado preocupação não com a origem dos recursos, mas com o fato de que Santana recebeu a doação, após as eleições, o que pode ser considerado crime eleitoral, de acordo com a lei 9.532. "Como bancada isso não será resolvido. É mais fácil recorrer à Comissão de Ética do partido", disse Pinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.