CPI: Robson Tuma falta ao depoimento

A tentativa da CPI do Senado de aprofundar as investigações em torno da ligação entre o narcotráfico e o futebol brasileiro e da evasão de renda nos estádios de futebol do Rio de Janeiro teve de ser adiada. O deputado federal Robson Tuma (PFL-SP), que foi sub-relator da CPI do Narcotráfico, na Câmara, não compareceu para depor na sessão da comissão desta quarta-feira, como estava agendado. Segundo sua assessoria, Tuma estava em São Paulo, acompanhando o funeral do governador Mário Covas.Já o depoimento do ex-deputado estadual do Rio de Janeiro, José Francisco Velloso, acabou esvaziado por falta de interlocutores. Somente o presidente e o relator da CPI, senadores Álvaro Dias (PSDB-PR) e Geraldo Althoff (PLF-SC), respectivamente, ouviram Velloso. "A Ordem do Dia no Senado acabou se prolongando e não pudemos contar com a presença de outros senadores", lamentou Dias. Os depoimentos desta quarta-feira estavam marcados anteriormente para terça-feira, mas foram adiados depois do anúncio da morte do governador Mário Covas.José Francisco Velloso disse que as investigações realizadas pela Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, em 1994, foram prejudicadas "porque houve uma pressão muito grande" e o relatório final da CPI acabou não sendo concluído pelo deputado estadual Roberto Dinamite, ex-jogador do Vasco da Gama. "Quando terminou o prazo regimental da CPI nós não tivemos como, oficialmente, concluir os trabalhos, porque faltava relatório", lamentou Velloso, que não soube explicar as razões que levaram Dinamite a não concluir o relatório. "Só sei dizer que muitos dos documentos levantados pela comissão estão desaparecendo do processo."O relator da CPI, senador Geraldo Althoff, afirmou que vai aguardar "mais alguns dias" para que a Assembléia Legislativa do Rio forneça cópias das atas e documentos "que foram juntados pelos deputados nas investigações sobre evasão de renda." Outro adiamento - A CPI do Futebol decidiu adiar para a próxima terça-feira o depoimento do ex-presidente do Vasco da Gama, Antonio Soares Calçada. Segundo o presidente da comissão, senador Álvaro Dias, o dirigente telefonou e informou que havia retornado apenas hoje de uma viagem ao exterior. Por isso, ele pediu para que seu depoimento fosse transferido.Já o funcionário do departamento de futebol do Vasco da Gama, Aremithas José de Lima, depõe nesta quinta-feira. Ele é acusado de haver recebido um depósito, em sua conta bancária, no valor de R$ 2,03 milhões, feito pela Vasco Licenciamentos S/A.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.