Crac e Jataiense surpreendem em Goiás

Não é fácil de ser notado num campeonato onde duas equipes reinam sozinhas e ganharam 34 títulos. Mesmo assim, e a partir de planos audaciosos de trabalho e investimentos jamais sonhados, as equipes do Crac e da Jataiense vão a semifinal do Campeonato Goiano, na próxima semana, onde enfrentarão os papões Goiás e Vila Nova."Desta vez a administração foi corajosa, contratou muitos jogadores, mudou a comissão técnica e manteve em dia os pagamentos de salários e bichos dos jogadores", diz Adélio de Campos, um juiz de direito aposentado que assumiu a presidência do Conselho Deliberativo do Crac, da cidade de Catalão. Em 16 jogos o Crac ganhou 10, empatou dois e perdeu quatro (66,66%). O saldo de gols (30) cresceu, no final de semana, ao golear o Goiatuba (4x1) e se garantiu na semifinal enquanto sonha com o segundo título estadual em 73 anos. Outra novidade, a Jataiense, que jamais passou da sexta posição em 52 anos de vida, obteve a quarta vaga na semifinal. O time de Jataí, a 320 quilômetros de Goiânia, somou 33 pontos mais 36 gols em 16 jogos.Mas perdeu a partida (2x1) e o confronto direto da melhor campanha para o Goiás, domingo no estádio Arapucão. "Tentamos imprimir um novo ritmo administrativo, gastando o que temos em caixa", explica o advogado Evaristo Anania de Paula, presidente do time de Jataí.Democracia - A Jataiense também revelou um diferencial: Ausência de "policiamento" sobre os jogadores, o que aproximou o grupo da chamada "Democracia", com Sócrates, no Corinthians. "Não tivemos casos de indisciplina", diz Evaristo Anania.Em comum, Crac e Jataiense montaram pacotes de bicho que agradam os jogadores. E seus treinadores fazem a batalha da escola paulista de técnicos, onde Pinho (ex-Comercial de Ribeirão Preto) e Wanderley de Paiva (ex-Marília) procuram ganhar terreno. Juntas, investiram R$ 1 milhão e contrataram 40 jogadores. Mas adotaram um jeitinho antigo de fazer política - entre 20% e 30% dos recursos financeiros investidos sairam dos cofres das prefeituras de Catalão e de Jataí.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.