Craques de várias gerações querem brilhar na Libertadores

Jogadores consagrados e jovens valores lutam para brilha na Copa Libertadores de 2007, cuja segunda fase começa nesta terça-feira com 32 participantes.No Internacional, atual campeão, os únicos destaques não são o atacante Fernandão ou o meia Iarley. Eles perderam espaço para os jovens atacantes Luiz Adriano, de 18 anos, e Alexandre Pato, de 17, que brilharam na campanha da conquista do Copa do Mundo de Clubes da Fifa, vencido sobre o poderoso Barcelona. Em janeiro, Adriano e Pato comandaram a surpreendente campanha da seleção sub-20 que conquistou o Sul-Americano da categoria, no Paraguai, e ainda garantiu o Brasil nos Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim. O São Paulo, atual campeão brasileiro e que perdeu o título do ano passado para o Inter, aposta nos gols do atacante Aloísio. Mas o técnico Muricy Ramalho também conta com outras cartas na manga, como o lateral-direito equatoriano Néicer Reasco, que se destacou na competição jogando pela LDU. E as opções não param por aí: o treinador pode contar com o goleiro Rogério Ceni, que defende e, ao mesmo tempo, balança as redes em cobranças de falta. Acostumado a ganhar títulos na Argentina e América do Sul, o Boca Juniors volta com tudo na Libertadores deste ano, após ficar de fora da edição de 2006 e terminar o ano com a derrota para o Estudiantes de La Plata na final do Apertura. Apesar da experiência internacional de nomes como Hugo Ibarra, Pablo Ledesma, Sebastián Battaglia e Neri Cardozo, o técnico do Boca, Miguel Russo, aposta mesmo no ´quadrado mágico´ formado por Juan Roman Riquelme, Guillermo Barros Schelotto, Rodrigo Palacio e Martín Palermo. Riquelme é a grande surpresa deste ano. Contratado na semana passada a peso de ouro junto ao espanhol Villareal (somente para a disputa da Liberadores), o meia de toques geniais deixou saudades na Bombonera e volta com o apoio da massa boquense.Barros Schelotto, que completará 34 anos em 4 de maio, é ídolo da torcida praticamente desde sua estréia, em setembro de 1997. Já Palacio, ex-Banfield, é titular absoluto desde 2005. E Palermo, que voltou ao clube após uma temporada irregular na Espanha, mantém intacta sua condição de talismã. Mas se o Boca Juniors acredita na experiência, do outro lado está o River Plate, que quer mostrar suas revelações. Alguns exemplos são Fernando Belluschi, de 23 anos, Nicolás Domingo (21) e o atacante colombiano Radamel Falcao García (20), que têm bastante espaço no time titular. O Necaxa, que estréia na Copa Libertadores e chega com o antecedente de haver somado mais pontos na fase de grupos do torneio Interliga, tem como destaque o brasileiro Kléber, que brilhou pelo Atlético-PR na campanha do título brasileiro de 2001. Apesar de ter recebido tentadoras ofertas da Europa - mais precisamente do Bordeaux da França, comandado pelo brasileiro Ricardo Gomes -, ele prometeu cumprir os cinco meses restantes de seu contrato com os mexicanos. A LDU, eliminada pelo Inter nas quartas-de-final do ano passado, volta a apostar suas fichas no experiente atacante Franklin Salas e no zagueiro Norberto Araújo. A sensação do Colo Colo, vice-campeão da Copa Sul-Americana, está no banco. O argentino Claudio Borghi, que como jogador teve o azar de ser a sombra de Maradona na seleção, tem uma receita muito simples para o sucesso como treinador: ter bons jogadores, dar confiança e exigir que ele se divirtam em cada partida. Resta saber se a fórmula levará o Chile ao ponto mais alto da Libertadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.