Craques do Brasileirão não decepcionam na Argentina

Dois jogadores que tinham presença na seleção brasileira cobrada pelos torcedores e pela imprensa aproveitaram bem a chance que tiveram nesta quarta-feira. Diego Cavalieri e Fred foram decisivos na conquista do Superclássico das Américas e apresentaram suas credenciais para continuar no grupo quando Mano Menezes puder contar com os jogadores que atuam na Europa.

AE, Agência Estado

22 de novembro de 2012 | 00h36

O goleiro teve pouco trabalho durante os 90 minutos, mas deu uma injeção de ânimo na equipe - que vinha do baque de ter levado o segundo gol aos 44 minutos - ao defender logo a primeira cobrança na série de pênaltis. Ele voou no canto direito e pegou o chute do corintiano Martínez. No tiro seguinte, o cruzeirense Montillo mandou por cima e deu ao Brasil a vantagem que acabou sendo decisiva.

Fred transformou em ouro a única chance que teve para marcar no tempo regulamentar. Aos 38 minutos do segundo tempo, ele desviou um chute torto de Jean e colocou a bola na rede. E na disputa por pênaltis mostrou frieza e precisão para deslocar o goleiro na quarta cobrança, em um momento em que se errasse o placar ficaria empatado.

"Aqui na Bombonera me sinto em casa", disse Fred, em alusão ao fato de também ter marcado no jogo entre Fluminense e Boca Juniors, pela fase de grupos da Copa Libertadores. "Fazer gol na Argentina é especial".

O gol em sua volta à seleção depois de um período de rusgas com Mano Menezes foi importante para mostrar ao treinador que, quando tiver o grupo completo (com os jogadores que atuam na Europa), ele pode ser o homem de área se o esquema que vem sendo utilizado - sem centroavante - não estiver funcionando. O técnico tem armado a seleção no 4-2-3-1, com Neymar como homem mais avançado. A linha de três atrás dele hoje é formada por Hulk, Oscar e Kaká.

Já Neymar comemorou o fato de, desta vez, ter acertado a cobrança de pênalti para a seleção. Na quarta passada, nos Estados Unidos, errou bisonhamente o chute no empate com a Colômbia. "Nada como um pênalti após o outro, né (risos)", brincou. "Hoje (quarta) graças a Deus pude ajudar e fazer o gol do título", comemorou o camisa 11.

A partir de agora o foco de Mano Menezes será na preparação do time para a Copa das Confederações, que será disputada em seis cidades brasileiras (Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador) entre 15 e 30 de junho. Será a terceira competição do técnico no cargo. Na Copa América de 2011, o time caiu nas quartas de final; e na Olimpíada foi vice-campeão.

O nível dos amistosos do primeiro semestre será bem maior do que os deste ano. No dia 6 de fevereiro, o Brasil enfrentará a Inglaterra, no estádio de Wembley, em Londres, e em junho receberá os ingleses, no Maracanã, e a França, no Mineirão, antes da Copa das Confederações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.