Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Cresce número de empresas que investigam clubes de futebol antes de fechar patrocínios

Serviços de investigação tiveram aumento da procura após final do Paulistão 2018

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2019 | 16h05

Quando o Palmeiras contratou uma empresa para investigar uma possível interferência externa na arbitragem na final do Campeonato Paulista contra o Corinthians no ano passado, os clubes brasileiros descobriram um segmento de mercado ainda novo no Brasil. Empresas investigam a veracidade de informações, como o background check, uma checagem de antecedentes, realizam estudos de riscos empresariais e oferecem serviços de inteligência também na área esportiva.

Um ano e meio depois da final do Paulistão, a procura se diversificou. Patrocinadores procuram empresas especializadas para entender os riscos de um investimento em determinado clube de futebol, descobrir eventuais ligações políticas dos dirigentes e avaliar o impacto das eleições na gestão das agremiações.

Especialistas ouvidos pelo Estado afirmam que vem aumentando a procura por empresas de investigação, mas não existem dados consolidados. As principais preocupações se referem à falta de profissionalização na gestão dos clubes e eventuais ligações políticas dos dirigentes.

“É um mercado que vem crescendo rapidamente no Brasil tanto em relação aos clubes como em relação aos potenciais investidores. Os clubes estão amadurecendo e aperfeiçoando suas formas de governança”, afirma Ian Cook, diretor da Kroll em São Paulo e responsável pelo atendimento ao segmento esportivo no Brasil. A empresa realiza trabalhos de levantamento de informações para clubes e investidores em novos projetos no futebol, como a negociação com novos parceiros ou patrocinadores.

Na Europa, também existe grande preocupação no sentido inverso: clubes querem conhecer melhor a reputação de fornecedores e patrocinadores. Ian relata o caso de um grande clube do Campeonato Inglês (o nome não pode ser revelado) que queria conhecer a reputação de um fornecedor de material esportivo. A investigação, que incluiu uma visita à fábrica da China, mostrou que a empresa não teria de condições de oferecer o que estava propondo.

Na opinião do especialista, o mercado esportivo brasileiro também sofre influência dos escândalos de corrupção identificados pela operação Lava Jato, conjunto de investigações da Polícia Federal que apura esquema de lavagem de dinheiro e pagamento de propina. “A operação Lava Jato mudou o ecossistema empresarial do Brasil como um todo. O esporte acaba sendo influenciado de forma indireta, mas o sistema como um todo mudou”, explica Ian Cook.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.