ALEX SILVA/ESTADÃO/2-9-2018
ALEX SILVA/ESTADÃO/2-9-2018

'Cresci muito desde a primeira passagem', diz lateral do São Paulo

Em entrevista exclusiva ao Estado, Reinaldo analisa bom momento com a camisa tricolor

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

05 Setembro 2018 | 05h00

"Não vou mentir que eu escutava (vaias) no vestiário quando anunciavam o número 16. Eu ficava um pouco triste, mas entrava no campo e tentava fazer meu melhor, trabalhando sempre com a minha humildade", declarou recentemente o lateral Reinaldo ao canal oficial do São Paulo no YouTube.

De junho de 2013, quando chegou ao clube, até dezembro de 2015, momento em que foi emprestado à Ponte Preta, Reinaldo participou de uma centena de partidas pelo São Paulo. A impaciência da torcida com ele, especialmente nos jogos dentro do Morumbi, era tamanha que os próprios companheiros de equipe na época vinham a público manifestar apoio ao lateral.

Em outubro de 2015, por exemplo, após uma derrota em casa para o Santos (1 a 3), pelo Brasileirão, o atacante Alexandre Pato, então titular da equipe treinada por Doriva, comentou: "Ninguém gosta de jogar com 20 mil pessoas te vaiando. É uma pena que isso aconteça com um jogador como o Reinaldo, que merece todo o carinho do mundo. A torcida não está feliz com ele, eu vejo isso. Mas ele é um cara que trabalha muito e os são-paulinos precisam apoiá-lo. Se a torcida não apoiar, vai demorar muito para o São Paulo ser campeão".

Realidade bem diferente da vivida pelo jogador às vésperas de enfrentar o Atlético-MG, nesta noite, em Belo Horizonte. Confira a entrevista que o Estado fez com o lateral são-paulino:

1. Após uma primeira passagem na qual você era criticado pela torcida, agora tem moral até para cobrar faltar, como aconteceu contra o Fluminense. Como analisa essa mudança de status dentro do São Paulo?

Estou vivendo um grande momento com a camisa do São Paulo. Creio que cresci muito desde a minha primeira passagem até essa fase que estou tendo agora. Cheguei mais preparado, confiante e sabendo o que tinha de fazer para dar o meu melhor e ajudar o clube. Então, estou muito feliz aqui e espero manter esse bom rendimento para seguir ajudando a equipe.

2. O Aguirre já escalou você como lateral e ponta. Se precisar, vai até para o gol?

Meu intuito é estar ajudando sempre o São Paulo, independente da posição que o professor Aguirre escolher pra eu atuar. Graças a Deus, consegui fazer bem as duas funções, e quem ganha é o São Paulo. Então, é seguir trabalhando forte no dia a dia para estar sempre evoluindo e preparado pra atuar onde o professor achar melhor.

3. A exemplo do São Paulo com o Nenê, o Atlético-MG tem em um veterano, o Ricardo Oliveira, uma de suas principais armas. Qual o segredo para marcar um jogador dessa qualidade?

É um jogador decisivo. Temos de ter atenção durante toda a partida, não só com ele, mas também com os outros jogadores. Sabemos da qualidade da equipe do Atlético-MG, mas vamos preparados para fazer uma grande partida e buscar um bom resultado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.