Criciúma vai apostar nos contra-ataques

O Criciúma vai apostar todas as suas fichas nos contra-ataques e em jogadas de bola parada na partida contra o São Paulo, domingo, no Estádio Heriberto Hülse, válida pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. "Essa idéia de que esse é um sistema defensivo em demasia não procede. A equipe pode ser ofensiva e vai ser ofensiva", opina o goleiro Fabiano, um dos jogadores mais assediados pela torcida na tarde de sexta-feira e ontem pela manhã, por ter defendido um pênalti, em momento crucial da partida.Um dos volantes, Cléber Gaúcho, que disputou o campeonato paulista pelo Santo André, por empréstimo e retornou ao Criciúma, considera que a equipe vai precisar melhorar e tornar mais eficiente a marcação, ao contrário do que ocorreu no Rio de Janeiro contra o Vasco. "O adversário é muito mais difícil, vamos ter que melhorar a pegada e ao mesmo tempo sermos mais ofensivos", definiu o jogador.Público - A vitória na estréia, a primeira do Criciúma sobre um time carioca jogando no Rio de Janeiro em 18 anos de participações em campeonatos nacionais, motivou a torcida do clube e a capacidade do Estádio Heriberto Hülse, cerca de 19 mil lugares, deve ser completa nesta domingo.Superou a expectativa a adesão de novos sócios contribuintes durante a semana. Mais de mil pessoas se inscreveram no "Clube Amigo do Tigre", pagando R$ 35,00 por mês e tendo acesso livre a todos os jogos do campeonato brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.