Crise de Vadão origina medida inédita

A crise de hipertensão pela qual passou o técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, do São Paulo, serviu de exemplo para a diretoria. Os dirigentes agora poderão adotar um procedimento inusitado no futebol brasileiro. Segundo o diretor de Futebol, José Dias, os técnicos também deveriam ser obrigados a passar por uma bateria de exames médicos antes de serem contratados, assim como ocorre com os jogadores."Sou favorável que isto comece a acontecer aqui", observou Dias, ao saber que Vadão já havia passado por uma crise de hipertensão no fim do ano passado, quando estava sem trabalhar, após ter sido demitido pelo Corinthians. Para Dias, o estresse no futebol é algo que deve ser levado mais a sério, ainda mais com relação a um técnico com a personalidade de Vadão. "Ele não é daqueles treinadores explosivos, segura muito as emoções dentro de si e isto pode ser prejudicial", destacou.Vadão havia sido internado terça-feira, no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, onde ficou em observação até o dia seguinte. Após alguns exames, ele foi liberado, mas o médico do São Paulo, José Sanches, achou melhor o técnico assistir das tribunas à partida entre São Paulo e Grêmio, que terminou com vitória da equipe gaúcha por 2 a 1.A delegação chegou a São Paulo na tarde de quinta-feira. A situação de Vadão preocupa o clube e ele deverá ser submetido a uma série de exames no Instituto do Coração. A diretoria descartou a possibilidade de contratar o atacante Leandro, ex-Portuguesa, hoje na Fiorentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.