Crise Dualib x Kia: novos desdobramentos

A viagem de Alberto Dualib para Londres com o intuito de pedir a demissão de Kia Joorabchian da presidência da MSI terá conseqüências. E elas vão muito além do fato de o fundo de investimento completar o pagamento de US$ 20 milhões (cerca de R$ 48 milhões) que Kia havia prometido fazer antes da assinatura da parceria no ano passado. O troco tem tudo para vir nas eleições corintianas em 2006. O apoio a um adversário de Dualib por parte de Kia pode ter consequências desastrosas ao atual presidente que está no cargo há 14 anos e deseja mais três.Ou seja: a relação de confiança entre Dualib e Kia não mais existe.O relacionamento entre os dois que já estava bastante afetado desde que o iraniano resolveu não pagar 10% de porcentagem pela assinatura do contrato de patrocínio com a Samsung ? o maior de um clube brasileiro.Dualib tenta disfarçar:?Nós não precisamos andar juntos. Nosso relacionamento não está afetado. Até porque não temos relacionamento. Nenhum de nós é gay?, tentava fazer graça o presidente corintiano.Mas a verdade é que Kia conversou muito com o maior investidor do fundo, o russo Boris Berezovsky. Os dois são amigos há anos. Boris estranhou as reclamações de Dualib e o pedido da demissão de Kia. O presidente viajou com um dossiê com o que considerava os erros do gerente da parceria.As reclamações eram basicamente de desperdício de investimento. Contratações que ficaram mais caras depois da demonstração via imprensa dos atletas desejados. Foi assim com Tevez, Mascherano, Roger, Carlos Alberto e Gustavo Nery. De acordo com conselheiros ligados a Dualib, entrevistas de Kia sabotaram as aquisições de Robinho e Vágner Love. Os dois atacantes poderiam ser do Corinthians desde o ínicio do ano.Treinadores também ocuparam um capítulo especial no dossiê. A reclamação com o alto gasto com Daniel Passarella. Por insistência de Kia no argentino, Vanderlei Luxemburgo e Leão não se tornaram técnicos corintianos.A insistência de Kia em não depositar os US$ 20 milhões prometidos também incomodou muito. O iraniano quis ver todas as contas corintianas e somá-las para verificar se alcançava a quantia exigida por Dualib.As longas entrevistas do iraniano como absoluto comandante do futebol do Corinthains foram lembradas a Berezovski. Assim como os jantares e as noitadas com as estrelas do time como o problemático Carlos Alberto e Tevez. Deixando de lado o restante do elenco. Todas as reclamações de Dualib foram anotadas e cobradas de Kia. Prevaleceram as explicações do amigo Kia.As duas partes não vão confirmar nunca, mas também foi resolvida a questão do pagamento da comissão da Samsung da neta Carla. De uma maneira ou de outra, o presidente corintiano foi vago dizendo que tudo foi acertado.No Parque São Jorge os comentários são fortes que o vice presidente Andres Sanchez seria o candidato de Kia. Os boatos até dariam conta de que seriam oferecidos R$ 5 milhões para Sanches cuidar da sua campanha. É interessante a postura do vice presidente. Ele era diretor de Esportes Terrestres quando assumiu o futebol no lugar do então todo poderoso Antônio Roque Citadini. Sanches fez contratações ?por baciada?. Trouxe, entre outros, Piá, Régis Pitbull e Adrianinho.Com o fracasso do time, Sanches perdeu prestígio, poder e passou para a oposição. Só que com a possibilidade da parceria com a MSI, foi ele quem viajou ao lado de Dualib. O vice presidente é evasivo quanto à possibilidade de ser o candidato a enfrentar Dualib.?Eu quero ser presidente do Corinthians. É um dos meus sonhos. Só o futuro irá dizer qual a melhor hora para tentar uma candidatura?, repete em todas as entrevistas Sanches. Ele tem tudo para ser o pivô da revanche do ressentido Kia.O TIME - O Corinthians volta nesta segunda-feira aos treinamentos para o clássico contra o São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro. Vários jogadores - que tiveram problemas de contusão, deverão passar por avaliação médica. Dispensado pelo técnico Márcio Bitterncoutr, o atacante Carlos Tevez não participou dos treinos do sábado. Deve, no entanto, treinar normalmente nesta segunda.O volante Marcelo Mattos está recuperado de contusão que o tirou da partida contra o Goiás e deve enfrentar o Tricolor na quarta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.