Crise na Hicks não assusta o Cruzeiro

O presidente do Cruzeiro, José Perrella de Oliveira Costa, insistiu nesta quinta-feira que, caso a Hicks Muse Tate & Furst, co-gestora do clube há dois anos, abandone o negócio, a finanças da equipe não serão abaladas. De acordo com Perrella, a administração do Cruzeiro "não tem dependência da Hicks como tem o Corinthians", ooutro clube com o qual o grupo norte-americano tem parceria no País, e está preparada para a eventualidade de encerramento do contrato. "Na maioria dos jogadores do Corinthians, a Hicks tem 50% dos passes. No Cruzeiro, eles têm participação apenas no Sorín (lateral argentino, que estaria sendo negociado com a Lazio), o restodos atletas é todo nosso", disse. "Além disso, todas as despesas do Cruzeiro passam primeiro por nós; fazemos nossos compromissos e a Hicks faz somente a complementação", disse o dirigente. Perrela informou que, sem a Hicks, o Cruzeiro deixaria de receber "algo em torno de R$ 300 mil ou R$ 400 mil por mês", déficit que seria facilmente contornável. "Até porque adequamos nossas despesas e temos hoje um time bem mais barato que o do ano passado", explicou. Perrella disse ainda que está esperando, para breve, um pronunciamento final da Hicks sobre a saída ou a permanência do grupo no clube mineiro. "Se for para a frente (a parceria), ótimo; se não for, não vai fazer diferença."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.