Assessoria/Sheriff
Assessoria/Sheriff

Lateral brasileiro brilha no principal clube da Moldávia

Cristiano, desconhecido no Brasil, é o principal destaque do Sheriff Tiraspol, equipe que vai jogar a Liga Europa

Luis Filipe Brito Santos, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2017 | 07h00

Cristiano da Silva Leite não era um dos jogadores mais conhecidos no Brasil. Aqui, as equipes mais renomadas em que passou foram Criciúma e CRB. Mas ano passado, quando disputava a série C pelo Volta Redonda, recebeu uma proposta do Sheriff Tiraspol, da Moldávia, e foi emprestado por um ano. O lateral-esquerdo é um dos principais destaques do time até agora: deu seis assistências em sete jogos, ajudando a equipe a chegar à liderança. Após nove rodadas, o Sheriff está invicto, com sete vitórias e dois empates.

Apesar de não ser um dos países mais conhecidos, a Moldávia não é estranha aos jogadores brasileiros. Cristiano, por exemplo, chegou ao maior campeão do país, por indicação de um colega. “Entraram em contato com um dos companheiros do time que já havia passado por lá, precisavam de um lateral esquerdo. Ele me indicou, fizeram uma boa proposta e eu assinei o contrato”, diz o brasileiro.

Além do campeonato nacional, o Sheriff também disputa a Liga Europa. Foi eliminado nos playoffs da Liga dos Campeões pelo Qarabag, do Azerbaijão, e passou pelo Legia Varsóvia, da Polônia, nas eliminatórias do segundo torneio continental. No sorteio da fase de grupos, foi definido que enfrentará o russo Lokomotiv Moscou, o checo Faztav Zlin e o dinamarquês Copenhague. “Queríamos enfrentar Milan, Arsenal, as grandes equipes. Mas o grupo não ficou ruim, porque temos chances de avançar para o mata-mata”.

Segundo o brasileiro, não houve problemas para se adaptar. “Eles privilegiam a marcação, e casou bem com meu estilo de jogo”, afirma.

A estrutura do Sheriff foi elogiada pelo lateral. A equipe, entretanto, dificilmente lota a arena – a média de público do Sheriff na temporada 2015/16 foi de 2.600 pessoas, de um total de 14 mil lugares na arena.

A barreira da língua existe, mas Cristiano está conseguindo superá-la. “Já falo um pouco de russo. Com os que falam inglês ainda não, mas brinco às vezes”. O russo é o principal idioma em Tiraspol, ao contrário do romeno que predomina no resto do país. Além de Cristiano, o Sheriff conta em seu elenco com o zagueiro Victor Oliveira e o meia Jairo.

O jogador de 24 anos conta que não sai muito. “Minha família ainda não veio, então fico mais entre o CT e minha casa. Mas vão vir semana que vem, para me dar mais apoio”. O lateral diz não ter problemas com a culinária, pois consegue achar ingredientes da cozinha brasileira com facilidade.

Para o futuro, Cristiano espera ser campeão nacional e se destacar para permanecer no clube. “Quero ser comprado em definitivo”, finaliza o brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.