AP Photo/Jon Super
AP Photo/Jon Super

Cristiano Ronaldo cobra R$ 3,2 milhões de indenização após arquivamento de caso de estupro

Ação contra astro do futebol foi arquivada neste mês por "conduta de má-fé" e uso indevido de documentos vazados e roubados por parte dos representantes da modelo

Associated Press, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2022 | 12h25

Cristiano Ronaldo está cobrando na Justiça dos Estados Unidos que o advogado da modelo Katheryn Mayorga, que o acusou de estupro, pague ao jogador uma quantia de US$ 626 mil (R$ 3,2 milhões) depois de alegar em um processo que Ronaldo abusou sexualmente da mulher em Las Vegas em 2009. Em um documento judicial, o advogado de Ronaldo, Peter Christiansen, pediu à juíza Jennifer Dorsey que responsabilize pessoalmente o advogado de Mayorga, Leslie Mark Stovall, pelo valor.

A acusação de estupro contra Cristiano Ronaldo foi arquivada neste mês pela juíza por "conduta de má-fé" e uso indevido de documentos vazados e roubados por parte dos representantes da modelo. Stovall não respondeu aos pedidos de comentários da reportagem. Stovall deve apresentar uma resposta ao tribunal até 8 de julho. 

"Dados os abusos e má conduta flagrante de Stovall, ele deve ser responsabilizado pessoalmente por garantir que Ronaldo seja reembolsado por ter que se defender contra sua conduta vexatória e de má fé", disse Christiansen na ação.

A acusção de estupro contra Cristiano Ronaldo

A situação se tornou pública em 2018, devido à publicação da revista alemã Der Spiegel, mas o suposto crime teria ocorrido em junho de 2009, no hotel Palms, em Las Vegas. O caso demorou a vir à tona por conta de um suposto acordo concretizado entre as partes. A modelo ficaria em silêncio pela quantia de 375 mil dólares (cerca de R$ 2 milhões), mas ela decidiu anular o documento assinado e pedir a indenização milionária. Segundo ela, do montante de 64 milhões de euros, 20 seriam pelo sofrimento passado, outros 20 pelos danos futuros e mais 20 por danos punitivos, além das despesas judiciais.

Na época, Cristiano Ronaldo se posicionou em suas redes sociais gravando um vídeo afirmando que as notícias eram falsas e que algumas pessoas “tentam se promover por meio de seu nome”. A equipe jurídica de Ronaldo "não contesta que ele conheceu Mayorga e eles tiveram relação sexual em junho de 2009, mas afirmam que o ato foi consensual".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.