Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Cristiano Ronaldo marca, Juventus bate Milan e conquista Supercopa da Itália

Título com vitória por 1 a 0 foi o primeiro do craque português pela equipe de Turim

Redação, Estadão Conteúdo

16 de janeiro de 2019 | 17h47

Cristiano Ronaldo faturou nesta quarta-feira seu primeiro título com a camisa da Juventus. E, como de costume, foi decisivo para a conquista. O astro português marcou o único gol da partida e deu o triunfo por 1 a 0 ao time de Turim diante do Milan, em Jeddah, na decisão da Supercopa da Itália.

O confronto desta quarta era bastante esperado e gerou muita polêmica por causa da escolha do local em que foi realizado. Juventus e Milan se enfrentaram no estádio King Abdullah Sports City, em Jeddah, na Arábia Saudita. O país é um dos mais criticados do mundo por deixar de seguir muitas das recomendações dos direitos humanos, principalmente com as mulheres.

Foram muitas as críticas à organização do duelo, mas de nada adiantou. E com a bola rolando, mais uma vez Ronaldo decidiu. Foi ele quem marcou o único gol do confronto aos 15 minutos do segundo tempo, de cabeça, aproveitando cruzamento perfeito de Pjanic e falha de Ricardo Rodríguez na marcação.

A Juventus foi melhor na média dos 90 minutos, principalmente no primeiro tempo. A primeira chance aconteceu logo aos três minutos, em finalização cruzada de Douglas Costa que raspou a trave. Aos 16, foi a vez de Cancelo receber pela direita e bater com muito perigo.

O grande lance do primeiro tempo, porém, foi de Ronaldo, que aproveitou cruzamento de Douglas Costa e finalizou de voleio. A bola quicou e encobriu o gol por pouco. A resposta do Milan quase foi fatal. Aos 44, Çalhanoglu arriscou e exigiu boa defesa de Szczesny.

O Milan voltou melhor para o segundo tempo e quase abriu o placar aos dois minutos, quando Cutrone recebeu na área, girou sobre a marcação e finalizou no travessão. E foi justamente quando a equipe rubro-negra era superior que Ronaldo decidiu a favor da Juventus.

Precisando do gol de empate, o Milan foi para frente. Lucas Paquetá, que pouco apareceu no jogo, deu lugar a Higuaín, que, em baixa, começou no banco. Mas as chances de reação foram por água abaixo aos 28 minutos, quando Kessie deu entrada duríssima em Emre Can. O juiz não viu, mas, alertado pelo VAR, expulsou o meio-campista.

A partir daí, a Juventus comandou a posse de bola, trocou passes e esperou o tempo passar. Em desvantagem numérica, o Milan sequer voltou a assustar o gol de Szczesny. Foi o time de Turim, aliás, que desperdiçou as últimas chances nos contra-ataques.

Líder disparada do Campeonato Italiano, com nove pontos de vantagem para o segundo colocado Napoli, a Juventus volta a campo pela competição diante do lanterna Chievo, em Turim, na próxima segunda-feira. No mesmo dia, o Milan terá pela frente o Genoa, fora de casa.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.