Andrew Innerarity/Reuters
Andrew Innerarity/Reuters

Cristiano Ronaldo pede que Justiça dos EUA retire processo contra fã

Albanês Ronald Gjorka invadiu o campo para abraçar o português e corre risco de ser deportado

O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2013 | 20h28

SÃO PAULO - Acostumado a atuar bem adiantado e a fazer muito gols, o português Cristiano Ronaldo agora resolveu atuar na defesa... de um fã albanês. Ronald Gjorka, de 20 anos, invadiu o gramado do Sun Life Stadium, em Miami, para abraçar o jogador na partida entre Real Madrid e Chelsea,  disputada em 7 de agosto e válida por torneio amistoso. O torcedor foi retirado por seguranças, ficou detido por cerca de um dia e meio e corre o risco de ser deportado pela atitude. Mas não se depender da vontade do jogador português.

A pedido do advogado que defende o albanês, Cristiano Ronaldo enviou uma carta à Procuradoria de Justiça da Flórida, nos Estados Unidos, pedindo a retirada do processo contra Gjorka, que foi acusado de desordem e invasão de privacidade. Na carta, enviada em 12 de setembro e a qual o jornal Miami Herald teve acesso, o português afirma que está preocupado porque entende que o fã "pode enfrentar problemas com a Imigração e com o seu colégio se as acusações contra ele não forem retiradas". E relata: "Nós nos abraçamos e conversamos um pouco, até que a segurança chegou e o escoltou para fora do campo. Ele não foi agressivo ou violento de maneira alguma". O apelo do jogador já deu resultado prático: anteriormente marcado para esta semana, o julgamento foi adiado para o dia 17 de outubro, e a acusão de desordem já foi retirada.

ÍNTEGRA DA CARTA

"Meu nome é Cristiano Ronaldo, e eu jogo futebol pelo Real Madrid. Eu estava jogando no Sun Life Stadium quando um fã entrou em campo. Seu nome é Ronald Gjorka, um jovem estudante. Nós nos abraçamos e conversamos um pouco, até que a segurança chegou e o escoltou para fora do campo. Ele não foi agressivo ou violento de maneira alguma. Além disso, não resistiu à chegada de seguranças e policiais.

É do meu conhecimento que ele agora reconhece seu erro e a importância da segurança. Ele é também um jovem, por volta dos 20 anos, que cresceu sem um pai e foi criado por uma mãe solteira. Parece que ele estuda no colégio Palm Beach County, na Flórida, com um visto de estudante internacional.

Estou preocupado porque entendo que ele pode enfrentar problemas com a Imigração e com o seu colégio se as acusações contra ele não forem retiradas. Ele imediatamente foi levado para o setor de segurança da estádio, e passou um dia e meio na prisão. Aparentemente, houve um depoimento na corte criminal na última segunda-feira, e embora ele tenha ido com um advogado e requisitado que as acusações fossem retiradas, você preferiu não atendê-lo.

Eu entendo sua posição e a importância de reforçar as regras e leis. No entanto, respeitosamente solicito que você e seu gabinete reconsiderem essa decisão e retirem as duas acusações que este jovem enfrenta. Eu não gostaria de vê-lo receber penas criminais por este erro. Parece que ele tem um futuro extremamente brilhante, e eu não gostaria de ver esse futuro afetado em detrimento de um engano no julgamento. Muito obrigado. Se você tiver quaisquer questões, por favor não hesite em me chamar diretamente a qualquer momento.

Sinceramente, Cristiano Ronaldo"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.