Paulo Fernandes/ Vasco
Paulo Fernandes/ Vasco

Cristóvão admite erros do Vasco em clássico: 'Estamos todos chateados'

Precisando da vitória para conquistar a vaga na final da Taça Guanabara, equipe perde por 1 a 0 para o Flamengo

Estadao Conteudo

26 Fevereiro 2017 | 09h58

O técnico Cristóvão Borges admitiu a atuação abaixo do esperado do Vasco no clássico com o Flamengo, na noite deste sábado, valendo vaga na final da Taça Guanabara. Precisando de uma vitória - o rival se classificava com o empate -, o treinador acredita que a equipe sucumbiu à pressão do resultado.

"Nosso jogo, que é muito bom pelo lado de campo, exploramos pouco, ficamos centralizados e isso ajudou a marcação do Flamengo. Nós conversamos no intervalo e inclusive jogamos um pouco fora do que estamos acostumados. A gente lançou muito a bola. Além disso, centralizamos muito o jogo, o que facilita a marcação", disse o técnico, ao enumerar os erros do Vasco na partida disputada no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

Para Cristóvão, a estratégia errada no primeiro tempo cobrou seu preço no segundo, principalmente depois que Diego marcou o único gol da partida, aos 40 minutos da etapa inicial. "No segundo tempo, tínhamos que arriscar para empatar o jogo depois virar. Com isso, a equipe ficou mais vulnerável e tivemos mais dificuldade porque o jogo ficou muito aberto",analisou.

Com a eliminação na semifinal da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca, o Vasco vai concentrar sua atenção agora na Copa do Brasil, antes do início do segundo turno do Estadual. E o técnico garantiu que a queda no clássico não vai abalar o time antes da próxima partida, contra o Vila Nova, na quarta-feira.

"Claro que estamos todos chateados. A gente não fica bem com derrota. É ruim e difícil assimilar em qualquer circunstância, ainda mais em um clássico. Vamos trabalhar muito e temos certeza que isso não irá nos atrapalhar na partida decisiva da próxima quarta-feira", prometeu o treinador vascaíno.

Mais conteúdo sobre:
futebol Vasco Flamengo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.