Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Cristóvão Borges pede que Vasco esqueça atletas negociados

Técnico tenta fazer time reagir diante de queda livre na tabela do Campeonato Brasileiro e lamenta desfalques

O Estado de S. Paulo

30 de agosto de 2012 | 11h57

PORTO ALEGRE - O Vasco começou o Campeonato Brasileiro como um dos favoritos ao título, liderou por três rodadas, ficou em segundo por outras nove, mas hoje vive seu pior momento e é apenas quarto na tabela. A queda da equipe coincidiu com a saída de diversos nomes importantes, como Diego Souza, Rômulo, Allan e Fagner, todos negociados para o exterior.

Após a derrota para o Grêmio, na última quarta, por 2 a 0, o técnico Cristóvão Borges disse que já é hora de esquecer estes jogadores e reagir na competição. "Isso dos jogadores que foram negociados, passou. Não podemos ficar vivendo disso, nosso presente é esse. Precisamos resolver nossos problemas individuais, que temos, e trabalhar para dar a volta por cima", declarou.

Cristóvão no entanto, fez questão de lembrar de outros desfalques vascaínos, os que estão fora por contusão. Para ele, não poder contar com jogadores como Juninho Pernambucano, Fellipe Bastos e Rodolfo tem atrapalhado a equipe. "A equipe deu uma oscilada porque alguns jogadores não conseguiram manter o mesmo nível de performance, temos algumas contusões", comentou.

Com isso, o treinador não descartou a possibilidade de contratar novos atletas. Ele admitiu que tem observado peças no mercado, mas como a janela para transferências do exterior já encerrou, está encontrando dificuldades de achar alguém que possa realmente mudar o futebol da equipe.

"Estamos trabalhando com observações desde o começo do ano, mas a gente sabe que o mercado fica mais restrito, a janela já fechou e temos que fazer observações nos campeonatos que temos aí. Então é mais difícil você acertar agora, mas continuamos trabalhando. E se for para ficar mais forte, apostamos", apontou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.