Cristóvão cobra reação do Flamengo e admite atuação ruim

A derrota para o rival Vasco por 1 a 0, domingo, na Arena Pantanal, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro, acendeu de vez o sinal de alerta no Flamengo. Com o time na zona de rebaixamento, o técnico Cristóvão Borges destacou a necessidade da equipe reagir imediatamente no Campeonato Brasileiro. "Temos que melhorar e reagir, não só pela necessidade, mas pela atuação de hoje. Temos que reagir e vamos reagir, porque não é esse o nosso Flamengo", disse.

Estadão Conteúdo

29 de junho de 2015 | 09h29

Cristóvão reconheceu que o Flamengo teve péssimo atuação no primeiro tempo, quando sofreu o único gol da partida, marcado por Riascos. Ele avaliou que o seu time apresentou alguma melhora na etapa final, mas não suficiente para impedir a derrota.

"A gente aceitou a marcação... Para ter passe e posse de bola, tem que ter movimentação e no primeiro tempo nossa movimentação praticamente não existiu. Fomos facilmente marcados. Aí, tem dificuldades: as opções não aparecem e isso induz ao erro. Com pouca movimentação, sentimos bastante dificuldade. Já no segundo tempo foi diferente. Tivemos melhor ligação com o ataque e conseguimos criar jogadas", disse.

Batido, o Flamengo está em 17º lugar no Brasileirão, com sete pontos, e agora vai encarar um time que também está na zona de rebaixamento, o lanterna Joinville, que soma quatro, na próxima quarta-feira, no interior catarinense. Cristóvão destacou que será mais um duelo decisivo e ressaltou que seus jogadores precisarão lidar com a pressão enquanto o time não sair dos últimos lugares no torneio nacional.

"Estamos jogando todos como decisões. Decisão o tempo inteiro. Era a grande oportunidade hoje, sendo um clássico diante do nosso rival, e com a vitória sairíamos da zona de rebaixamento, alcançaríamos algumas posições. Pelo começo da equipe no Brasileiro, estamos jogando o tempo inteiro pressionados", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.