Murad Sezer/Reuters
Murad Sezer/Reuters

Criticado por ida ao futebol russo, zagueiro deixa de ser convocado pela Ucrânia

Yaroslav Rakitskiy trocou o Shakhtar Donetsk pelo Zenit St. Petersburg

Redação, Estadão Conteúdo

05 de março de 2019 | 13h04

A decisão do zagueiro Yaroslav Rakitskiy de trocar o Shakhtar Donetsk pelo Zenit St. Petersburg parece ter custado a ele uma vaga na seleção ucraniana. Nesta terça-feira, o defensor ficou fora da primeira convocação realizada pela sua seleção nacional desde que ele se transferiu para o futebol da Rússia.

Rakitskiy não foi incluído na relação de jogadores chamados pelo técnico Andriy Shevchenko para os primeiros compromissos da Ucrânia pelas Eliminatórias da Eurocopa de 2020, que vão ser disputados neste mês, contra as seleções portuguesa e de Luxemburgo.

Shevchenko não explicou a sua decisão de não convocar Rakitskiy. Mas o zagueiro era presença constante nas convocações da Ucrânia, já tendo disputado 54 jogos pela equipe nacional. E fez parte dos grupos da seleção nas edições de 2012 e 2016 da Eurocopa.

Nos últimos dias de janeiro, o Zenit fechou a contratação de Rakitsky. E, imediatamente, o jogador, de 29 anos, se tornou alvo de críticas no seu país pela decisão de atuar no futebol da Rússia. Na época, a imprensa ucraniana defendeu que o zagueiro deixasse de ser convocado para a seleção nacional. E seu perfil no Instagram foi inundado com críticas e até mesmo comentários abusivos.

Na Ucrânia, a tensão continua alta após a anexação pela Rússia da península da Crimeia em 2014 e seu apoio à separatistas na região leste do país. Além disso, o Zenit é de propriedade da empresa estatal russa de gás Gazprom.

A seleção ucraniana indicou anteriormente relutância em chamar jogadores de clubes russos, e alguns políticos do governo convocaram outros países a boicotarem a Copa do Mundo do ano passado. E agora Rakitskiy deixou de ser convocado na primeira lista divulgada após a sua transferência ao Zenit.

Mais conteúdo sobre:
Shakhtar DonetskZenitfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.