Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Criticado por atletas de São Paulo e Palmeiras, iluminação do Morumbi custou milhões

Novos refletores foram colocados no começo do ano e fez o time tricolor gastar quase R$ 3 milhões em melhorias

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2019 | 04h31

Jogadores do São Paulo e do Palmeiras saíram do clássico disputado no último sábado com muitas reclamações a iluminação do estádio do Morumbi. Para os são-paulinos, o gol palmeirense, no empate por 1 a 1, só saiu graças ao posicionamento dos refletores. O curioso é que a iluminação do estádio é algo novo e que o São Paulo investiu quase R$ 3 milhões pela novidade. 

No começo do ano, o Morumbi passou por reformas para a troca da iluminação do estádio. Os antigos refletores foram trocados por modelos de LED que custaram cerca de R$ 2,8 milhões em um financiamento entre três e quatro anos. O clube começou a pagar no mês passado. 

A alteração visa economizar energia no estádio tricolor, mas não parece ter agradado aos jogadores. O goleiro´palmeirense Weverton foi quem fez duras mais críticas. “Aqui, eu vejo e pouca gente fala, mas o Morumbi na minha opinião é o pior refletor pro goleiro que existe", disparou. "O refletor vai direto no rosto do goleiro. Talvez isso tenha atrapalhado ele", completou, defendendo Volpi.

Tiago Volpi mediu as palavras, mas deixou claro que o refletor o atrapalhou na jogada que terminou com gol do Palmeiras. “Eu perdi ela (a bola) no refletor, mas um jogador profissional não pode dar uma desculpa que tomou um gol por causa do refletor. Muitas vezes o refletor tá na nossa cara e quando eu virei eu perdi ela. Ela já estava batendo na trave e nas minhas costas”, explicou o goleiro são-paulino. 

O técnico Cuca também reclamou da luz do estádio. "A iluminação atrapalhou o Volpi. Ele foi atrapalhado (no lance do gol). É uma situação que muda o jogo", comentou o treinador. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.